Seu browser não suporta JavaScript!

01/07/2014 | Portal do PSDB na Câmara

20 anos de Plano Real: deputados relembram vitória contra instabilidade e hiperinflação

Por Luciana Bezerra

No aniversário dos 20 anos do Plano Real, celebrado nesta terça-feira (1º), deputados do PSDB destacaram o papel transformador do exitoso programa econômico para os brasileiros, calejados até então com a instabilidade monetária e com o fracasso de sucessivas iniciativas anteriores. Apesar da resistência do PT e dos seus principais líderes às medidas elaboradas pela equipe liderada pelo então ministro Fernando Henrique Cardoso, o Brasil venceu o dragão da inflação e deu novas perspectivas de desenvolvimento ao país.

“O Plano Real foi o melhor programa econômico lançado em todos os tempos no Brasil. A nova moeda estabilizou a economia e proporcionou amplas possibilidades de crescimento”, elogiou o deputado Valdivino de Oliveira (GO). “O real deu pressupostos macroeconômicos que incentivaram o crescimento, o desenvolvimento e a modernização”, acrescentou o tucano, que é economista.

INFLAÇÃO DE 43% AO MÊS – Apresentado como a nova moeda do Brasil em 1º de julho de 1994, o Real concretizava um trabalho iniciado um ano antes por FHC, então ministro da Fazenda do governo de Itamar Franco. Faziam parte da equipe nomes como Edmar Bacha, Persio Arida, André Lara Resende, Gustavo Franco e Pedro Malan.

Elaborado com antecedência e conduzido com total transparência, o Plano Real foi dividido em três fases. A primeira exigiu o ajuste nas contas públicas por meio de um corte no Orçamento. Na segunda houve a implantação da Unidade Real de Valor (URV), unidade monetária para desindexar a economia. E a última fase foi a transformação da URV em real.

O cenário econômico da época não poderia ser mais desolador. No primeiro semestre de 1994, a inflação totalizava 757%, uma média de 43% ao mês, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A remarcação de preços chegava a ser diária nos supermercados e estabelecimentos comerciais, atormentando os brasileiros que sofriam com a perda gradativa do poder de compra.

PT REMANDO CONTRA A MARÉ – A mobilização comandada pelo PT contra o sucesso do Real também contribuía para o panorama negativo no país. O deputado Otavio Leite (RJ) lembrou que a oposição se esforçou para depreciar o projeto. “Queiram os nossos adversários ou não, o fato é que o Plano Real foi, do ponto de vista macroeconômico, a mais importante conquista dos trabalhadores brasileiros das últimas duas décadas”, disse.

A resistência petista não abalou a confiança do governo e da população, que acreditaram no sucesso do plano. Nos seis meses seguintes, o IPCA desabou para 18,6%, média de 2,9% ao mês. A inflação foi caindo progressivamente até chegar ao piso de 1,65%, o menor da história, registrado em 1998. “Sepultar o perverso ciclo inflacionário que consumia o poder de compra dos trabalhadores representou um ganho para o coletivo do povo brasileiro”, declarou Leite.

nota_real UM NOVO BRASIL – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso relembrou, em sua página no Facebook, a chegada da nova moeda e as otimistas perspectivas de futuro que ela abriu para os brasileiros a partir de 1994. “Fruto de um esforço enorme de uma equipe econômica que eu liderava como ministro da Fazenda e tinha o apoio de Itamar Franco como presidente da República”, disse o tucano em áudio inédito.

A estabilidade da moeda, destacou o ex-presidente, reduziu a pobreza, resgatou a confiança dos brasileiros no futuro do país e permitiu a instituição de novas políticas sociais e econômicas. “Houve os descrentes. O presidente Lula dizia que o Real não era um sonho, era um pesadelo. Se enganou. Se enganou tanto que depois se esforçou para manter a moeda estável.” Na época, a principal liderança da Partido dos Trabalhadores afirmou: “O PT tem uma avaliação de que esse plano econômico é um estelionato eleitoral”, disse o petista há duas décadas. No entanto, no poder, foi um beneficiário direto da estabilidade proporcionada pelo Real.

Ao chamar atenção para as dificuldades do atual governo em manter a economia sob controle, Fernando Henrique disse que o povo está à espera de medidas que mantenham o Real estável, “porque aprendeu que a inflação e a carestia são seus piores inimigos”.

Análise de adversários não tinha respaldo na percepção popular

“Os candidatos dos demais partidos opuseram-se ao Plano Real durante todo o tempo, desde a discussão no Congresso até a campanha eleitoral, apregoando que ele traria consequências nefastas ao país. A recessão era inevitável, diziam, e a volta da inflação também, além das catastróficas perdas salariais. Os candidatos, inclusive o principal oponente, Lula, guiado por seus economistas, batiam com insistência nessa tecla, que se chocava crescentemente com a percepção popular.”

Fernando Henrique Cardoso, em “A Arte da Política”. O sucesso do plano levou o tucano a vencer as eleições presidenciais em 1994, em 1º turno, com 54% dos votos válidos.

Charge: Fernando Cabral