Seu browser não suporta JavaScript!

18/06/2013 | Portal do PSDB na Câmara

25 anos do PSDB: Para deputados, exposição refletirá amplo legado do partido em prol do país

Para deputados, exposição refletirá amplo legado do partido em prol do país

Por Djan Moreno e Edjalma Borges

É grande a expectativa entre os deputados tucanos para o lançamento da exposição que irá comemorar os 25 anos do PSDB, os 19 anos do Plano Real e o aniversário de 82 anos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Parte da história do partido, que promoveu os principais avanços sociais e econômicos da história contemporânea do país, será contada no corredor de acesso ao plenário da Câmara a partir desta terça-feira (18).

Os parlamentares consideram a homenagem oportuna e fundamental para lembrar o momento em que o Brasil conheceu a estabilidade da economia, viu o começo dos principais programas sociais e recebeu atenção especial em áreas como saúde e educação.

“É uma coincidência que nos deixa muito felizes. São 25 anos de relevantes serviços prestados à nação, notadamente na democracia e no avanço econômico e social; 82 anos de um grande estadista que conduziu o país de forma brilhante e 19 anos do Real, a moeda que trouxe condições de vida muito melhores e eliminou a altíssima inflação com a qual convivemos ao longo de anos”, destacou o líder da Minoria no Congresso, deputado Antonio Imbassahy (BA). Para o tucano, essa é uma “exposição oportuna e inspiradora”.

O deputado Nelson Marchezan Júnior (RS) afirma que, além de importante, a homenagem servirá para “relembrar aquilo que a maioria do povo brasileiro deve ter saudade: uma política ética, que conseguiu promover estabilidade financeira, econômica e institucional”. Estabilidades essas que abalaram-se, em sua avaliação, nos últimos dez anos.

“Essa é uma exposição muito oportuna e esperamos que traga luz ao país, que seguiu por caminhos errados nos últimos anos. Que isso mostre que é possível fazer política com ética, responsabilidade e respeito às instituições. Que sirva para mostrar que a nação está no caminho errado e precisa voltar aos trilhos”, disse. Marchezan afirma que Fernando Henrique merece todas as homenagens diante do legado que deixou ao país. “Tivemos uma evolução gigantesca. O país virou uma página com ele. Temos o Brasil antes de Fernando Henrique e o Brasil depois de Fernando Henrique”, ressaltou.

Para o deputado Luiz Nishimori (PR), o ex-presidente da República mudou o rumo da nação e deu a ela a diretriz necessária. Segundo ele, o pensamento do PSDB coloca sempre o desenvolvimento do país como prioridade. “O Brasil passava por grandes dificuldades com inflação nas alturas, e a implantação do Plano Real foi a base para a solidez da economia que temos hoje. Devemos nossa estabilidade ao Plano Real. Relembrar sua criação é algo muito importante”, disse.

O deputado Otavio Leite (RJ) afirma que um partido político deve ter proposta, coerência, conteúdo e bandeira, além de olhar para o futuro, como faz o PSDB. “Que seja esse mais um momento de reafirmação dessas causas, e ao mesmo tempo de fonte de inspiração para prosseguir na reta caminhada de buscar dias melhores para o nosso povo”, afirmou. “Ao chegar nessa data de aniversário nós reafirmamos valores nos quais acreditamos e consideramos fundamentais para a construção de um mundo melhor”, completou.

Já Marcus Pestana (MG), que está no PSDB desde o ano de sua fundação, em 1988, lembrou algumas das conquistas do governo de Fernando Henrique. “Seu governo foi transformador. Nós saímos da hiperinflação que impedia o trabalhador e a dona de casa de planejar sua vida, corroía o dinheiro dos mais pobres e impedia que empresários projetassem o futuro e confiassem no país, investindo e criando empregos”, destacou.

Pestana afirmou ainda que naquela época a Petrobras e a produção de petróleo cresceram cerca de10% ao ano, enquanto na gestão petista o aumento tem ficado por volta de 2,5%. Além disso, para ele, o Real foi um dos mais “revolucionários e bem sucedidos planos de estabilização de qualquer país no mundo e a partir daí o Brasil contemporâneo nasceu”.