Seu browser não suporta JavaScript!

19/03/2006 | Jornal O Dia

A difícil escolha de Cesar

O prefeito Cesar Maia se disse confuso na última quinta-feira, quando o PFL adiou a decisão sobre a proposta de coligação com o PSDB. Para a imprensa, afirma que está dividido entre uma candidatura à Presidência e a permanência na prefeitura. Mas, na prática, o que mais o atormenta é a pressão que vem sofrendo para concorrer ao governo do estado, tanto do seu partido quanto dos tucanos.

Um dos mais interessados na decisão é o candidato do PSDB ao Planalto e governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que quer aliados de pesso concorrendo nos estados. Seu desafio é articular dobradinha entre Rio e São Paulo, convencendo o prefeito José Serra a concorrer ao Bandeirantes e o deputado federal José Anibal a desistir da vaga.

Em jogo não apenas as ambições políticas e as previsões estratégicas , mas o controle sobre as prefeituras das duas maiores cidades do País. Segundo um tucano que prefere não se identificar, os pefelistas estão frustados por Serra não ter sido o escolhido. Essa escolha levaria o vice-prefeito paulista, Gilberto Kassab (PFL), a assumir o cargo. Por outro lado, é grande a torcida no tucanato para que Otavio Leite, vice-prefeito do Rio, entre no lugar de Cesar.

´Foi tudo um teatro. Não existe candidatura à Presidência nenhuma. O PFL vai vender caro seu apoio, e a prefeitura de São Paulo tem o preço maior´, avalia um parlamentar do PSDB.

O pedido de renúncia pode vir da própria cúpula do PFL, caso seja essa a condição para o partido assumir a prefeitura paulistana. Está previsto para hoje um encontro entre Alckmin e o presidente pefelista Jorge Bornhausen. a pressão também vem de candidatos à Cãmara dos Deputados e à Alerj, que não vêem no secretário de Obras Eider Dantas um bom nome. (...)