Seu browser não suporta JavaScript!

15/01/2010 | Jornal O Globo

Acordo entre PV e PSDB no Rio ameaça apoio do PSOL a Marina

Por Cássio Bruno e Soraya Aggege

RIO e SÃO PAULO. O acordo que está sendo costurado no Rio entre o PV e o PSDB para garantir um palanque estadual ao tucano José Serra ameaça outra aliança almejada pela pré-candidatura da senadora Marina Silva (PV) à Presidência. O PSOL, que daria à candidatura de Marina um viés mais à esquerda, ameaçou ontem não apoiá-la caso o PV se alie aos tucanos do Rio para lançar o nome do deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) ao governo do estado.

Com o acordo, Gabeira teria de subir em dois palanques na disputa presidencial: o de Marina e o do governador de São Paulo, José Serra (PSDB).

Segundo o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ), a aliança entre o partido e os tucanos é como "água e azeite":

- Estamos num processo de convencimento. E um dos nossos pontos fundamentais abordados é a construção de uma candidatura (de Marina) que esteja fora da aliança PV e PSDB. Nossa relação com o PSDB é como água e azeite.

Essa é mais uma polêmica na coligação PSDB/DEM/PPS/PV. Integrantes do PV, entre eles o presidente do diretório regional do Rio, Alfredo Sirkis, resistem ao nome do ex-prefeito Cesar Maia (DEM) para concorrer ao Senado. O PV vai discutir internamente a situação envolvendo os dois palanques de Gabeira no Rio, mesmo com o apoio de Marina a sua pré-candidatura. Aliados aos tucanos, os verdes ganham mais visibilidade na campanha, com tempo maior no horário eleitoral.

Chico Alencar diz que entende a intenção de Gabeira de disputar a sucessão fluminense contra o governador Sérgio Cabral (PMDB) e o ex-governador Anthony Garotinho (PR).

- A posição dele (Gabeira) é legítima - afirmou o deputado, lembrando que o PSOL lançará candidato ao governo do Rio.

O deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ) minimizou:

- Não afeta a estratégia e o potencial da campanha do Gabeira. O que estamos tratando é da candidatura do Gabeira e não da Marina. São eleições isoladas na cabeça do eleitor.

Gabeira evitou a polêmica:

- Se acontecer (a saída do PSOL), a gente vai examinar. No momento, estou envolvido com a tragédia do Haiti.

Marina: "preparando a máquina para a campanha"

Marina iniciou ontem um check-up no Instituto do Coração, da Universidade de São Paulo. A bateria de exames termina hoje. Segundo sua assessoria, a senadora está apenas "preparando a máquina" para a campanha. Marina, de 51 anos, nasceu no Acre, onde sofreu contaminação por metais pesados. Ela também já contraiu malária e hepatite. Seu estado de saúde, no entanto, é "excelente", de acordo com a assessoria.

Após os exames, Marina se reuniu com os dirigentes do PV em São Paulo, para discutir o programa do partido, que deve ir ao ar dia 10, e a possibilidade da definição de um candidato da legenda para o governo de São Paulo.