Seu browser não suporta JavaScript!

08/09/2013 | Aécio Neves 45

Aécio Neves vai endurecer o combate às drogas e à criminalidade

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, reforçou, nesta segunda-feira (08/09), em Belém (PA), o compromisso em tornar a Segurança Pública uma prioridade nacional. A disposição, segundo ele, é endurecer no combate ao tráfico de drogas para reduzir os índices de violência e mortes na região.

“O Brasil não é produtor de cocaína, não é produtor de maconha. E, nos países que são os principais produtores, vemos seus governos fazendo vista grossa para aquilo que lá acontece. No Brasil, vimos no ano passado, 56 mil assassinatos, sendo mais de 30 mil em razão do tráfico de drogas. Vamos estabelecer uma nova relação, onde as parcerias com esses países serão condicionadas a ações efetivas desses governos para coibir o cultivo das drogas no seu território”, afirmou.

No esforço para acabar com a sensação de impunidade, Aécio afirmou que vai promover a reforma do Código Penal. Ele acrescentou que pretende proibir o represamento dos recursos aprovados no Congresso Nacional para os Fundos de Segurança Pública. O candidato lembrou que, neste ano, somente 20% desses recursos foram liberados.

Aécio ressaltou que entre suas prioridades está o policiamento das fronteiras, com apoio da Polícia Federal e das Forças Armadas atuando em conjunto. Além disso, o governo federal será parceiro dos Estados. “[Será uma parceria em que] cada um saiba, efetivamente, com o que vai contar mensalmente, ou para ampliar o efetivo, investir em inteligência ou em equipamentos”.

Regionalização

Ao ser questionado sobre a necessidade de melhorar a qualidade de ensino no país, Aécio afirmou que quer levar a experiência positiva de Minas Gerais para o Brasil. O Estado foi avaliado em primeiro lugar em ensino fundamental no país, de acordo com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

“Vimos a falha de uma política, por exemplo, em relação ao ensino médio, onde existe um só currículo em todo o Brasil. Isso é uma visão do século passado para o século XXI. Temos que regionalizar os currículos, adaptá-los à realidade de cada região, para que eles sejam atrativos. Temos que refundar a escola brasileira”, ressaltou ele. 

Segundo o candidato, um dos principais projetos do seu programa de governo é implementar ações que resgatem uma “parcela importante” dos jovens brasileiros que não completaram o ensino.

“Temos 20 milhões de brasileiros, entre 18 e 29 anos de idade, de jovens brasileiros, que não completaram o ensino fundamental ou o ensino médio. Vamos fazer aquilo que se faz hoje com estudantes que ganham a bolsa de estudo para um curso de pós-graduação. Vamos dar uma bolsa de um salário mínimo para todos os jovens que não completaram seja o ensino fundamental, o ensino médio, para que possam fazê-lo. O trabalho desse jovem será estudar. Porque só assim eles vão conseguir se qualificar um pouco mais”, afirmou ele.

Pacto federativo

Durante entrevista, o candidato afirmou que seu governo irá reduzir as desigualdades por meio de ações pontuais nas áreas de saúde, segurança pública, educação e infraestrutura. “O governo federal governa de costas para a região Norte e também, em grande parte, para a região Nordeste do Brasil”, afirmou.

“Em primeiro lugar, vamos resgatar a capacidade dos municípios e dos Estados enfrentarem as suas dificuldades. O Brasil vive um Estado unitário hoje, apenas o governo federal tudo tem e tudo pode. Um novo pacto federativo, com a agenda da Federação, que está em discussão no Congresso Nacional e não foi votado até hoje, porque a base do PT não permitiu, será votado com absoluta prioridade.”

Caminhada

Aécio foi recepcionado em Belém por motoboys que fizeram apelos e sugestões. Durante o encontro, ele ganhou de presente uma imagem de Nossa Senhora de Nazaré.

Em seguida, Aécio caminhou pela feira da Rua 25 de Setembro, onde, mais uma vez, parou para conversar, cumprimentar e posar para fotos com eleitores. O candidato experimentou o puro açaí. Depois, participou de um ato político com a presença de cerca de 2.000 pessoas, acompanhado do governador e candidato à reeleição, Simão Jatene, na sede do Pará Clube.