Seu browser não suporta JavaScript!

17/12/2013 | Portal do PSDB na Câmara

Airbag: Leite classifica a posição do governo como desumana e inaceitável

Exigência de airbag a partir de janeiro é vitória do consumidor, afirma Azeredo

Por Edjalma Borges

A exigência de airbag como item de série a partir de janeiro de 2014 é uma vitória do consumidor, afirmou via Twitter o deputado Eduardo Azeredo (MG). Nos últimos dias o deputado vinha cobrando a entrada em vigor da regra no próximo ano. O governo federal considerou adiar a obrigatoriedade, mas o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje que a data será mantida. Os novos carros serão produzidos com airbag e freio ABS como itens de série.

“Vitória do consumidor: a partir de janeiro de 2014, todos os carros terão air bag como item de série! Vitória do bom senso!”, comemorou o tucano. A Lei do Airbag é originária de projeto apresentado pelo tucano ainda no Senado, em 2004. A norma foi ainda regulamentada e as montadoras tiveram quatro anos para um período de adaptação.

Azeredo lembra que na época o Congresso se posicionou a favor da segurança dos motoristas, por isso não havia razão para o Executivo mudar a regra. “Não tem sentido que agora possa haver uma prorrogação. Foram quatro anos para que as montadoras se organizassem na fabricação dos automóveis”, declarou. O deputado desmente ainda o argumento das montadoras, que alegam aumento da inflação com a mudança.

A “Crash List” mostra que, dos cinco modelos mais vendidos no país, quatro receberam apenas uma estrela, em uma classificação que vai até cinco. “Testes recentes mostram que os carros populares brasileiros mais vendidos são inseguros. Por isso as montadoras sequer conseguem exportar esses veículos”, destacou.

A aplicação da lei deve contribuir para a redução do número de mortes em acidentes de trânsito (43 mil em 2012). Outro ganho será a redução dos gastos do Sistema Único de Saúde (SUS) com o tratamento das vítimas graves. Este gasto, só no estado de São Paulo, ultrapassa os R$ 58 milhões por ano. Em Minas Gerais, foram R$ 31,5 milhões em 2012.

“Não há o menor sentido em ter mais mortes e mais despesas nos hospitais por acidentes. Está mais do que provado que a ausência do airbag e do ABS traz mais problemas. Editar uma MP seria a MP da morte certa”, apontou.

Salvo pelo equipamento

Em 2012, o deputado Otavio Leite (RJ) foi salvo pelo airbag em um acidente. Ele teve fissura na coluna ao ter o seu carro atingido por outro quando reduziu a velocidade. Leite classifica a posição do governo como desumana e inaceitável. “O airbag salva vidas e foi fundamental para me salvar. Portanto, esse procedimento de impedir a entrada em vigor da lei é um absurdo. É algo que merece realmente toda a nossa repulsa, toda a nossa indignação”, finalizou.