Seu browser não suporta JavaScript!

03/08/2007 | Jornal O Globo

Airbus da tragédia teve duas panes de motor

Nas semanas que antecederam à tragédia do vôo 3054, o Airbus A-320 da TAM que explodiu após bater em um prédio da empresa, em Congonhas, provocando a morte de 189 pessoas, sofreu duas panes no motor desconhecidas até o momento. Os problemas estão registrados em boletins de inspeções de rotina (feitas pela TAM antes de toda decolagem) em poder da CPI do Apagão Aéreo na Câmara. Os documentos, obtidos pelo Globo, foram enviados pela TAM. Embora não seja possível afirmar neste momento que as panes tenham relação com o desastre, elas serão investigadas pela comissão.

O mesmo documento diz que foi realizada em solo inspeção visual com o motor girando em baixa potência, e a vibração não se repetiu. O Airbus foi liberado, com a recomendação de que o motor fosse observado no próximo vôo.

Os deputados da CPI defenderam uma investigação:

- É mais uma revelação de que é preciso aprofundar a discussão técnica sobre os parâmetros da manutenção das aeronaves. É preciso investigar técnica e profundamente se essas pane prévias tiveram qualquer relação com o acidente – disse Otavio Leite (PSDB-RJ).

Em nota, a TAM afirmou que a fissura detectada em Ilhéus foi aberta na parte interna do capô da turbina e foi considerada normal pelo manual do fabricante. Segundo a companhia, por essa razão, a aeronave foi liberada.