Seu browser não suporta JavaScript!

01/07/2012 | Jornal Folha de São Paulo online

Aliança dará a Paes mais da metade do tempo de TV no Rio

Por Italo Nogueira e Paulo Gama

A mega-aliança de 20 partidos formada pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), garantiu ao candidato à reeleição mais da metade do tempo de TV destinado à propaganda eleitoral.

O peemedebista terá mais de 16 minutos em cada bloco do horário político, de 30 minutos de duração. Sua coligação é maior que a do governador Sérgio Cabral (PMDB) em 2010, que teve 16 partidos.

Para definir a duração da propaganda dos candidatos, a Justiça leva em conta o número de deputados federais que cada partido da coligação elegeu em 2010. Por isso a ampla aliança formada por Paes lhe dá vantagem.

O tempo do atual prefeito na TV será três vezes maior do que o do segundo colocado na divisão, o deputado federal Rodrigo Maia (DEM).

Maia terá pouco menos de quatro minutos para fazer sua campanha. Ele perdeu quase um minuto do tempo de TV após o Supremo Tribunal Federal definir que --apesar de criado em 2011-- o PSD, que apoia Paes, terá direito a participar da divisão do tempo.

A lei concede aos candidatos, ainda, o mesmo tempo para a soma diária das chamadas inserções --propagandas de no máximo um minuto espalhadas pela programação das emissoras.

NÃO AGRESSÃO

Com a supremacia do peemedebista, os adversários do prefeito negociam um pacto de não agressão no início da campanha. O foco será atacar o que consideram pontos fracos de Paes para tentar provocar um segundo turno.

No programa de TV, Paes focará obras da cidade. O mote será a realização de investimentos planejados há anos, mas que nunca haviam saído do papel, como a revitalização do porto e corredores expressos de ônibus. O marqueteiro de Paes será Renato Pereira, o mesmo de Cabral.

Os adversários apontam a internet como alternativa para escapar do domínio televisivo de Paes. Maia iniciou há dois meses uma campanha para receber reclamações e ampliar os contatos na rede.

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) --que terá pouco mais de um minuto e meio de TV-- diz que dependerá principalmente da internet. Na TV, suas inserções serão dirigidas por Victor Lopes, do filme "Agamenon".

O programa do deputado federal Otavio Leite (PSDB) --que terá três minutos e meio-- será coordenado por Júlio Uchôa, produtor da série "As Brasileiras".