Seu browser não suporta JavaScript!

18/05/2013 | Jornal Folha de São Paulo online

Ao aclamar Aécio, ex-ministro de FHC diz que PSDB deve 'falar menos' para SP

Por GABRIELA GUERREIRO, CATIA SEABRA e NATUZA NERY

DE BRASÍLIA

Presente na convenção do PSDB que vai aclamar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) como novo presidente da sigla, o prefeito de Manaus e ex-ministro Arthur Virgílio (PSDB-AM) defendeu neste sábado (18) que o partido foque suas ações e campanha para o interior do Brasil, sem priorizar o eleitorado de São Paulo e grandes capitais.

"Daqui para frente, é mergulhar no Brasil. Temos que falar menos para São Paulo, estudar mais a Amazônia, regiões vitais do país que são esquecidas pelos partidos", afirmou Virgílio, que foi ministro da Secretaria-Geral da Presidência na gestão de Fernando Henrique Cardoso.

Aécio Neves pedirá ao PSDB que inicie 'novo ciclo'

Serra dispensa avião fretado e chega antes a Brasília para eleição de Aécio

Virgílio disse que a tônica da 11ª. Convenção Nacional do PSDB, que se realiza neste sábado em Brasília, será unir o partido em torno da eleição de Aécio em 2014. Ele cobrou do mineiro empenho para buscar apoio dentro da sigla, inclusive do ex-governador de São Paulo José Serra.

"Se alguém pretende ser candidato, precisa conquistar esses apoios. A bola está nos pés de quem vai liderar o partido. Ele [Aécio] precisa seduzir o PSDB", afirmou.

No mesmo tom, o deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) afirmou que os tucanos precisam se aproximar do eleitorado de baixa renda --principal foco do governo petista. "Nas classes A e B, nós vamos ganhar. Temos que ir para as classes D e E", disse.

Logo no início da convenção, que também deve marcar a arrancada de Aécio como adversário de Dilma Rousseff em 2014, parlamentares tucanos voltaram as suas críticas ao PT e ao governo da presidente Dilma Rousseff.

Alguns deputados da sigla chamaram os petistas de "tiranos" e "irresponsáveis" no governo do país --e lançaram o nome de Aécio como adversário de Dilma em 2014.

"Esse governo irresponsável e incompetente não pode mais ficar onde está", disse o deputado Izalci Lucas (PSDB-DF). "Temos que tirar esses tiranos do PT que estão no poder", completou o ex-deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR).

O deputado João Campos (PSDB-GO), presidente da bancada evangélica da Câmara, lançou o nome de Aécio à Presidência em 2014. "Hoje vamos eleger o Aécio presidente do PSDB. Mas em 2014, é o Aécio presidente do Brasil."

EVENTO

O PSDB montou uma estrutura cinematográfica para a convenção que vai eleger Aécio presidente da sigla. Com iluminação própria para captar imagens em alta resolução e telões gigantes que reproduzem uma imensa tela de cinema, o partido vai usar as imagens da convenção na futura propaganda política de Aécio.

Todos os participantes foram informados, em mensagem projetada nas telas gigantes, que suas imagens poderão ser usadas posteriormente na propaganda eleitoral --sem que ninguém tenha direito de reivindicar o seu uso. O partido distribuiu camisetas amarelas e azuis para os militantes, assim como bonés com tucanos com bicos gigantes.

'FESTA DA UNIDADE'

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin, e de Minas, Antônio Anastasia, chegaram pouco depois das 11h a Brasília para a convenção que elegerá Aécio presidente nacional do PSDB. Tanto Alckmin como Anastasia insistiram no discurso da unidade.

"Será uma bela convenção. A festa da unidade", afirmou Alckmin.

O ex-governador José Serra, que apesar de estar em Brasília, não foi ao encontro do grupo e chegou separadamente ao evento, depois que os principais nomes do partido já estavam no local.