Seu browser não suporta JavaScript!

16/08/2011 | Blog da Bancada do PSDB na Câmara

Aprovada vinda de Hage à Câmara para esclarecer investigação de denúncias em ministérios

O ministro da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage, deverá participar de audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, em data a ser definida, com o objetivo de dar esclarecimentos sobre as providências que adotou para investigar as denúncias de irregularidades nos ministérios dos Transportes e do Turismo. É dever da CGU defender o patrimônio público, por meio de atividades como controle interno, auditoria, prevenção e combate à corrupção.

O pedido de realização da audiência, de autoria do deputado Vanderlei Macris (SP), foi aprovado nesta terça-feira (16) pela comissão. “Nos últimos meses, chegaram ao conhecimento público, por meio da imprensa, graves denúncias de irregularidades nesses ministérios”, disse o tucano.

O parlamentar do PSDB ressaltou que, no caso dos Transportes, teria havido fraudes em licitações e superfaturamento em compras feitas por órgãos vinculados à pasta. As denúncias levaram à demissão do ex-ministro Alfredo Nascimento. Em relação ao Turismo, Macris observou que a Polícia Federal realizou, no último dia 9, uma operação para combater o desvio de recursos públicos destinados ao ministério por meio de emendas parlamentares. Trinta e cinco pessoas chegaram a ser presas, inclusive o secretário-executivo da pasta, Frederico Costa. “Esses fatos exigem providências enérgicas dos órgãos de controle interno e externo da União”, afirmou o deputado do PSDB.

Na última quarta-feira (10),a Comissão de Turismo e Desporto da Câmara já havia aprovado requerimento dos deputados Otavio Leite (RJ) e Rui Palmeira (AL) que convida o ministro da Controladoria-Geral da União para esclarecer as causas e as consequências do aumento dos focos de corrupção no governo federal. “Nos últimos meses, chegaram ao conhecimento público, por meio da imprensa brasileira, inúmeras denúncias que dão conta de graves casos de corrupção havidos na cúpula do Executivo federal”, justificam os tucanos no requerimento.