Seu browser não suporta JavaScript!

10/05/2012 | Portal do PSDB na Câmara

Ataques a procurador não conseguirão abafar julgamento do mensalão, alertam tucanos

Por Letícia Bogéa

Para deputados do PSDB, os ataques petistas à atuação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel (foto), não passam de uma tentativa de fragilizar o julgamento do mensalão. Membros da CPI do Cachoeira criticam o procurador por não ter pedido, em 2009, a abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar políticos que teriam ligações com o bicheiro.

Gurgel rebateu na quarta-feira (9) a afirmação do delegado da Polícia Federal Raul Alexandre Marques em depoimento na comissão. Marques disse que a Operação Vegas ficou inconclusa porque o procurador não deu prosseguimento às investigações. Segundo Gurgel, o ataque vem de pessoas com medo do julgamento do escândalo de corrupção. O STF decidiu que Gurgel terá cinco horas para fazer a acusação contra os 38 réus.

baixe aqui

“O procurador fez uma defesa no sentido de preservar, sobretudo, a imagem de uma instituição com história de coesão no serviço público. Apostamos nas instituições e no Ministério Público. E acreditamos no Roberto Gurgel”, ressaltou o líder tucano na Câmara, Bruno Araújo (PE), nesta quinta-feira (10).

Para Otavio Leite (RJ), a Procuradoria Geral da República (PGR) é uma instituição que merece respeito. Na sua opinião, Gurgel está correto ao lembrar do mensalão. “A sociedade brasileira assistiu há cerca de oito anos essa corrupção e exige o julgamento do maior escândalo da história do país. Há uma tentativa de minimizar o mensalão, o que é ruim, pois o caso é emblemático para a história do Brasil. O julgamento tem que ser rigoroso e, os corruptos, punidos”, cobrou.

César Colnago (ES), por sua vez, afirma que os petistas “trabalham”, inclusive acusando a mídia, na tentativa de divulgar o mensalão como uma armação ou algo inexistente. “Estão tentando agora tapar o sol com a peneira. E, com isso, vão desmoralizar a instituição”, ressaltou.

Já Jutahy Junior (BA) critica as articulações para atingir Roberto Gurgel. “O país inteiro espera o julgamento do mensalão e todas as articulações estão sendo feitas pelos vinculados aos réus na tentativa de atingir o procurador, que terá 5 horas para apresentar todas as suas denúncias contra o maior escândalo que já aconteceu no país, em um atentado contra a democracia”, completou.

“O modelo stalinista, na tentativa de mudar os fatos, de tirar a realidade da história, não conseguirá impedir que esse julgamento passe para a história como um dos mais importantes do STF”, concluiu Jutahy.

Protetores dos réus

- Segundo o procurador, as críticas foram feitas por “pessoas que estão morrendo de medo do julgamento do mensalão”. Sem citar nomes, Gurgel disse ser compreensível que pessoas “ligadas a mensaleiros” queiram atacá-lo e também atacar ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), que serão responsáveis por julgar o caso. Gurgel acredita que os mentores das críticas são, “se não réus, protetores de réus”, além de pessoas que já foram alvo do Ministério Público e agora querem retaliar, conforme reportagem do jornal “Folha de S.Paulo”.