Seu browser não suporta JavaScript!

05/01/2004 | Jornal Correio Urbano - Aracajú

Autoridades recebem restos mortais de Artur Bispo do Rosário

´Sergipano de Japaratupa, Artur Bispo do Rosário (1909-1989) é reconhecido mundialmente por especialistas em Artes Plásticas como um dos maiores expoentes da arte comtemporânea. Seu trabalho é considerado a vitória do inconsciente sobre o racionalismo estanque.

Após uma pequena Mostra no Rio de Janeiro, Artur Bispo foi apresentado ao público internacional em 1995, na 46ª Bienal de Veneza. Desde então, suas peças são expostas nas galerias dos maiores centros de cultura e arte da Europa, da América Latina, do Japão e dos Estados Unidos.

O resgate de sua memória e a divulgação de sua obra é um dever que o Estado de Sergipe assume ao transladar sua urna funerária para a sua terra natal e prestar-lhe todas as homenagens em forma de publicações, impressos, reproduções, exposições, culminando com a construção de um memorial em parceria com a prefeitura de Japaratuba´.

´Sua obra, construída numa solitária da Colônia Juliana Moreira, ao longo de 50 anos, transcende as agruras da lida psiquiátrica para atingir um universo de beleza que marca a genialidade do seu espírito empreendedor.

Uma obra empregnada de amor à sua cidade-berço, da qual se retirou ainda menor de idade para a qual retorna em restos mortais e prestígio eterno´.

O texto é de Ilma Fontes, membro do Conselho Estadual de Cultura de Sergipe, que recebeu inúmeros elogios nacionais pelo tema trabalhado após escrever matérias de pesquisa e escritas sobre o artista japaratubense.

O presidente do PSDB na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, o deputado Otavio Leite (sergipano), está em Aracaju. Ele foi o responsável pelo processo de transferência dos restos mortais do artista sergipano, de Japaratuba, Artur Bispo do Rosário, do Rio de Janeiro para o estado de Sergipe.

O parlmentar carioca é filho do ex-deputado sergipano Fernando Leite e neto do ex-senador Júlio Leite, também sergipano, por quem foi criado no Rio de Janeiro, dois anos depois de ter nascido em Sergipe, de cuja terra preserva as suas raízes culturais.

No ano de 1998, o então prefeito de Japaratuba editou uma portaria, nomeando Otavio Leite, que na época era vereador, como procurador para localizar os restor mortais de Artur Bispo do Rosário, que, sabia-se, estava no manicômio da colônio Juliano Moreira, no Rio de Janeiro.

As buscas começaram por aí. O processo foi demorado, cheio de burocracia, mas neste domingo, dia 04.01, os restos mortais do artista sergipano chegou com honras a Aracaju e seguirão para a sua terra natal, Japaratupa.

Na solenidade, o secretário de Estado da Cultura, José Carlos Teixeira, representará a governadora de Sergipe em Exercício, Marília Mandarino.

Após identificados e liberados, os restos mortais do sergipano ilustre Artur Bispo do Rosário foram transferidos para a cripta da catedral metropolitana do Rio de Janeiro, no último dia 19, onde foi celebrada uma missa de pompa e honra, ato raro, na igreja, contando com a presença de gente ilustre da arte e da política nacional.

A urna com os restos mortais continuam na catedral do Rio e chega a Aracaju neste domingo, pelo vôo da Varig, às 13 horas. o prefeito de Japaratuba, Gerald Olivier, viajou ao Rio de Janeiro para conduzir a urna com os restos mortais.

O deputado carioca disse que, como sergipano, não poderia deixar de colaborar com o enaltecimento desse grande vulto histórico de Sergipe.