Seu browser não suporta JavaScript!

18/07/2018 | Jornal Mercado e Eventos online

C2Rio Workshop: Otavio Leite aborda desafios de aumentar fluxo e promoção internacional

Por Pedro Menezes 

“As perspectivas do Turismo do Rio de Janeiro” na visão do deputado federal Otavio Leite. Esta foi a palestra que abriu oficialmente a programação do primeiro Workshop C2 Rio Travel & Tours, que reúne 115 guias turísticos no Hilton Copacabana, no Rio de Janeiro. Otavio Leite abordou assuntos como o fomento de passageiros no RIOgaleão e hóspedes nos hotéis cariocas, o baixo investimento em marketing turístico no exterior, as propostas congeladas no Congresso e a conquista do visto eletrônico.

“Nossos fluxos internacionais não podem ser perdidos. Temos que encontrar um caminho para trazer mais passageiros para o RIOgaleão, mas falta atrativos para as companhias aéreas. É o caso dos tributos. No entanto, temos que encontrar uma solução, porque foram investidos bilhões no Rio de Janeiro. Não só os aeroportos, mas os hotéis. Temos que ocupar estes quartos de qualquer maneira. Apesar dos desafios, temos uma vitória. Após 20 anos de lutas, conseguimos o tão sonhado visto eletrônico. Agora passamos a competir com outros destinos”, disse Otavio.

O deputado acredita que agora é preciso mostrar aos norte-americanos as facilidades de visitar o Brasil. “E para isso, precisamos do marketing, o que é um problema, porque os orçamentos públicos para estes nichos são baixos. Enquanto a Argentina investe US$ 75 milhões e o México R$ 450 milhões, a Embratur tem apenas US$ 10 milhões para investir. Este mercado precisa de um tratamento de choque no ponto de vista de mídia. O Brasil tem muito potencial, mas como vamos arrumar este dinheiro?”, indagou Otavio Leite.

O deputado ainda falou dos projetos que tramitam na Câmara dos Deputados. “Vamos votar no Congresso um projeto que permita qualquer empresa aérea estrangeira se instalar no Brasil com CNPJ e 100% de capital externo. E isto não fere a soberania nacional. O que interessa são mais assentos, mais rotas, mais fluxo, mais emprego e mais desenvolvimento turístico. Precisamos captar grandes mercados, avançar e capitalizar cada vez mais o setor. Precisamos atrair cada vez mais pessoas”, frisou.