Seu browser não suporta JavaScript!

02/12/2003 | Jornal Tribuna da Imprensa

Caciques do PT e do PSDB no Rio costuram aliança para 2004

Uma aliança entre PT e PSDB começa a ser delineada no Rio de Janeiro, visando às eleições municipais de 2004. O possível candidato petista à Prefeitura, deputado federal Jorge Bittar, o presidente regional do PT, Gilberto Palmares, o presidente municipal do PSDB, Otavio Leite, e o vice-presidente do PSDB regional, Luiz Paulo Corrêa da Rocha, almoçaram ontem, no restaurante do Clube Naval, no Centro.

Eles traçam uma estratégia para ganhar, juntos, o maior número possível de prefeituras e impedir o crescimento de um adversário político comum, o ex-governador Anthony Garotinho (PMDB).

Para Luiz Paulo, existem prefeituras em que os dois partidos podem formar uma chapa, como as dos municípios de Campos, Nova Iguaçu, Mesquita, Paracambi e Macaé. No dia 11, eles se reúnem novamente para mapear todas as candidaturas dos 92 municípios e começar o processo de aproximação.

´O PSDB tem como adversário principal no Estado Anthony Garotinho, com sua política neo-pentecostal. Ele traçou um projeto de poder para ganhar muitas e muitas administrações. Nós achamos que o PSDB e o PT têm chances reais em diversas prefeituras e naquelas em que não formos concorrentes, poderemos nos fortalecer mutuamente já no primeiro turno´, explicou Luiz Paulo.

Convergências

Todos foram unânimes em destacar que há pontos convergentes entre os dois partidos, que são adversários na esfera federal. Para eles, não existe conflito ideólogico entre forças políticas tão diferentes que impeça a união. ´O fundamental do encontro é que estamos absolutamente confortáveis para conversar com o PSDB. Fomos adversários na eleição do ano passado, somos adversários no plano federal, mas reconhecemos que há preocupações comuns com a questão democrática´, frisou Palmares.

Uma das poucas prefeituras que os partidos não devem formar aliança é a do município do Rio, a menina dos olhos de PT e PSDB. Cada sigla terá candidato próprio, tendo Jorge Bittar e Otavio Leite como os candidatos mais cotados nas respectivas siglas.

´O que marcou este encontro foi uma cordial sinceridade. Na cidade do Rio, os dois partidos terão seus próprios candidatos, mas isso não impede que prossigamos com um diálogo sobre os problemas do município´, afirmou Leite, depois do almoço, que teve como entrada creme de cenoura ao molho de champanhe, cevice de camarão e lima no guacamole e, como prato principal, a aliança entre as duas siglas no Estado.