Seu browser não suporta JavaScript!

14/04/2015 | Portal G1

Câmara faz sessão solene em homenagem aos 50 anos da TV Globo

 

Por Fernanda Calgaro

A Câmara dos Deputados realizou nesta terça-feira (14), no plenário principal da Casa, uma sessão solene para homenagear os 50 anos de fundação da TV Globo. A cerimônia contou com a presença de políticos, empresários e artistas, representados pelos atores Glória Menezes, Juca de Oliveira e Milton Gonçalves.

Inaugurada em 26 de abril de 1965, no Rio de Janeiro, a TV Globo conta atualmente com cerca de 12 mil funcionários, dos quais mais de 4 mil envolvidos diretamente na criação de programas. A emissora é a maior da América Latina em produção de programas próprios como novelas, minisséries, shows, humorísticos, musicais, eventos e jornalismo, entre outros.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) comandou a sessão solene. O deputado disse lembrar de ter assistido à criação da emissora. “Tenho 56 anos de idade e com 6 anos assisti à criação da TV Globo”, contou.

Para ele, o fundador da TV Globo, Roberto Marinho, foi um “visionário”, responsável por implantar um "padrão de qualidade" na televisão que se transformou em referencial para as emissoras do país. “A história da TV no Brasil confunde-se com a história da TV Globo”, observou Cunha.

Em meio à solenidade, parlamentares de diversos partidos usaram a tribuna para defender a liberdade de imprensa e repudiar propostas de regulação da mídia.

“A manutenção da democracia depende fundamentalmente da liberdade de expressão, da ausência de regulação de mídia e qualquer ausência de controle social de mídia”, disse Cunha.

Um dos idealizadores da homenagem, o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) relembrou a trajetória da TV Globo e ressaltou o papel social da emissora. Segundo ele, entre outros exemplos, a empresa exerce sua função social ao fazer a cobertura jornalística de temas como a reforma política.

O deputado Sergio Zveiter (PSD-RJ) também defendeu a “liberdade de expressão" e a "imprensa livre” durante a cerimônia. “Queremos um Brasil melhor e, dentre todos os aspectos importantes com que a Rede Globo contribuiu para o país, estão o jornalismo ético, independente e imparcial, que age com isenção, correção e agilidade”, declarou o deputado do PSD.

Em seu pronunciamento, o deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) disse que, às vezes, há um “fantasma” que aparece tentando cercear a liberdade de opinião. “Diante daqueles que apregoam isso [controle da liberdade de imprensa], temos que combater com mais liberdade de expressão”, observou.

O deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) discursava na tribuna quando um manifestante o interrompeu gritando “liberdade de expressão e democratização dos meios de comunicação” e tentou abrir uma faixa.

Ele e outros dois manifestantes que gritavam palavras de ordem foram retirados do plenário por policiais legislativos da Câmara e conduzidos ao Departamento de Polícia Legislativa (Depol). Os três foram liberados após prestar depoimento. A Polícia Legislativa informou que não abriu nenhum procedimento disciplinar porque não houve crime e sim uma manifestação.

Último parlamentar a discursar, o líder do PPS, Rubens Bueno (PR), ressaltou "o equilíbrio da empresa na busca pela melhor informação".

Da tribuna da Câmara, o vice-presidente do Grupo Globo, João Roberto Marinho, fez um breve discurso aos parlamentares e convidados, no qual destacou a “obsessão" da empresa pela "qualidade sem concessões”.

O executivo ressaltou na sessão solene que a emissora não defende "partidos, religiões, formas de comportamento nem formas de agir”, mas procura acompanhar as mudanças da sociedade. “Não acertamos sempre, é claro, mas sempre procuramos corrigir rumos quando detectamos erros”, afirmou.

João Roberto Marinho reiterou em seu discurso a missão da TV Globo em defender sempre a democracia e o “império da lei e do voto”. “Esse é o nosso compromisso, e não há melhor momento do que neste cinquentenário para reiterá-lo”, disse o vice-presidente do Grupo Globo.