Seu browser não suporta JavaScript!

07/03/2013 | Portal G1

Campos e Cabo Frio, RJ, fazem protesto contra Lei dos Royalties

Por Priscilla Alves e Heitor Moreira

Na manhã desta quinta-feira (7), duas manifestações contra a decisão do Congresso Nacional que derrubou os vetos da presidente Dilma à nova Lei dos Royalties movimentaram, o interior do estado do Rio de Janeiro. Nas cidades de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense e em Cabo Frio, na Região dos Lagos, houve protestos.

Nesta quarta-feira (6), o Congresso Nacional derrubou todos os vetos feitos à Nova Lei dos Royalties pela presidente Dilma Rouseff, que favoreciam os estados produtores de petróleo. Os royalties são pagos como forma de compensação por possíveis danos ambientais causados pela extração.

Cerca de 300 pessoas invadiram o saguão de embarque do Heliporto do Farol de São Thomé, em Campos do Goytacazes, no Norte Fluminense, em protesto à decisão do Congresso sobre a divisão dos royalties do petróleo. Os manifestantes quebraram as portas de vidro que dão acesso à pista onde ficam os helicópteros e se dispersaram pelo campo de pouso das aeronaves, impedindo a chegada e saída de voos. Durante a invasão, houve discussão entre os participantes do protesto e os seguranças do Heliporto e um homem ficou ferido. Segundo os passageiros, dois tiros foram disparados para o alto, mas ainda não se partiram dos seguranças ou se algum dos manifestantes está armado.

Até as 12h, o saguão de embarque estava lotado de trabalhadores que precisavam embarcar ou voltar de plataformas de petróleo. Na frente da entrada do heliporto está um trio elétrico onde os organizadores do protesto se manifestam contra a decisão parlamentar. Os passageiros que chegam ao local são barrados pelos integrantes do protesto.

A prefeita de Campos dos Goytacazes, Rosinha Garotinho esteve presente no local, em apoio ao movimento. "Após essa decisão do congresso, nós só podemos confiar no Supremo Tribunal Federal, que não vai rasgar as leis. Nós vamos lutar pelos nossos direitos˜, disse a prefeita.

Segundo Rosinha, o objetivo é prejudicar a produção de petróleo da região para chamar a atenção para a importância do prejuízo que o município pode sofrer. "A gente acha que as pessoas só vão entender a gravidade disso quando começarmos a dar prejuízo. Nós estamos no limite", disse Rosinha.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil de Campos, Carlos Monteiro da Silva, estava presente em apoio ao movimento. "A OAB aprova um protesto pacífico e é contra qualquer tipo de irregularidade", disse.

Os manifestantes se retiraram do Heliporto às 15h30, após intervenção da Polícia Federal, que tenta negociar a liberação da pista desde as 13h. De acordo com a administração do local, não haverá mais pousos e decolagens nesta quinta-feira. Rosinha e os organizadores da manifestação saíram do Heliporto de mãos dadas e cantando o Hino da Independência.

Cabo Frio

Cerca de 1.500 pessoas se reuniram em frente a Prefeitura de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, em uma manifestação contra a rejeição do Congresso pelos vetos de Dilma à nova Lei dos Royalties, que redistribui os tributos pagos pela produção de petróleo. Um trio elétrico foi colocado na Av. Assunção para que políticos discursem opiniões sobre a situação. Prefeitos de São Pedro da Aldeia, Arraial do Cabo, Armação dos Búzios e Cabo Frio estão na manifestação.

O prefeito cabofriense, Alair Corrêa, disse ao G1 que esse é só o início de uma grande mobilização. "Se for preciso tomar uma atitude drástica, nós vamos tomar. Toda a parte administrativa da prefeitua está parada. Saúde e Educação continuam funcionando. Nosso objetivo é sensibilizar a presidenta Dilma e toda população.'' disse o prefeito.

Estudantes seguravam cartazes e bexigas pretas. Algumas pessoas estavam com uma faixa preta amarrada em alguma parte do corpo. Tudo para chamar atenção e expressar a revolta pela rejeição dos vetos da presidenta.

Os municípios e o próprio estado do Rio de Janeiro, que têm a maior produção de petróleo, só neste ano deixaria de receber R$ 3,1 bilhões, segundo levantamento realizado pelo deputado Otavio Leite (PSDB-RJ).

Legenda da foto: Manifestantes carregam faixas contra decisão do Congresso (Foto: Priscilla Alves / G1)