Seu browser não suporta JavaScript!

15/10/2006 | Jornal O Estado de São Paulo

Candidato derrotado do PSDB formaliza apoio a Cabral Filho

OESP, 15 de outubro de 2006 - 18:31

Contrariando decisão de neutralidade do diretório regional, alguns membros do PSDB, liderados pelo candidato derrotado ao governo estadual, Eduardo Paes (PSDB), formalizaram ontem o apoio à candidatura do senador Sergio Cabral Filho (PMDB), aliado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

RIO - Alguns membros do PSDB, liderados pelo candidato derrotado ao governo estadual, Eduardo Paes (PSDB), formalizaram ontem o apoio à candidatura do senador Sergio Cabral Filho (PMDB), aliado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), contrariando a decisão de neutralidade do diretório regional.

O deputado estadual eleito Zito, o mais votado no estado, e sua filha, a deputada federal eleita Andréia Zito, estavam sendo esperados, mas desistiram no último momento, atendendo a um apelo do presidente de honra do PSDB regional, Marcello Alencar e do presidente do partido no Rio, o deputado Luiz Paulo Corrêa da Rocha. ´Eles acharam que seria prematuro e eu acatei´, disse Zito.

Hoje às 16h os caciques do partido se reúnem para avaliar que medidas serão tomadas diante da crise aberta pela atitude de Paes. Os outros tucanos que também aderiram à campanha de Cabral foram o deputado federal eleito Sílvio Lopes, o deputado federal Marcio Fortes, o ex-prefeito de Vitória Luiz Paulo Velloso Lucas e os vereadores Patrícia Amorim, Luiz Carlos Ramos e Guaraná.

Uma fonte do PSDB afirma que a decisão de Paes causou surpresa do Diretório Nacional. O candidato do tucano no Rio é a deputada Denise Frossard (PPS-PFL-PV), adversária de Cabral Filho na disputa estadual, e que foi fortemente criticada por Paes durante a campanha. No início do segundo turno, o PSDB regional chegou a cogitar apoiar Cabral Filho, devido a desavenças locais com o prefeito Cesar Maia (PFL), padrinho político da candidatura de Frossard. Mas foi impedido por uma intervenção branca feita pelo presidente nacional Tasso Jereissati, com o argumento de que essa aliança prejudicaria Alckmin e esvaziaria seu palanque no Estado.

Em discurso durante a solenidade de apoio a Cabral, num hotel no Leblon, na zona sul do Rio, Paes disse respeitar a decisão de seu partido, mas acrescentou: ´A decisão de neutralidade mostra que a maioria do PSDB já tomou a decisão de votar no Sergio Cabral governador´. O deputado federal eleito e vice-prefeito, Otavio Leite, discorda: ´Qualquer associação com Cabral confunde a cabeça dos eleitores numa perspectiva negativa para a campanha do Alckmin´, disse ele.

Os tucanos acreditam que a decisão de Paes de formalizar a aliança com Cabral, indo contra todos os apelos do presidente de honra, Marcello Alencar, e do presidente regional, Luiz Paulo Corrêa da Rocha, pode inviabilizar sua presença no partido.

Como seu mandato de deputado federal termina no fim do ano, uma das possibilidades é a de que Paes vá para o PMDB e seja candidato a prefeitura do Rio com o apoio de Cabral, especula uma das lideranças do PSDB no Estado.

Em seu ex-blog, o prefeito Cesar Maia também acredita que a prefeitura seja o objetivo do candidato tucano derrotado. ´Um levantamento das eleições em vários estados, neste segundo turno, mostra que a disputa para prefeitos das capitais já começou. O posicionamento das lideranças políticas locais está ocorrendo em função disso. No Rio, a movimentação do PSDB, aponta na mesma direção´, escreveu ele.

A candidata Denise Frossard, passou o dia em casa se preparando para o debate da TV Bandeirantes e não quis comentar o assunto. Depois do ato com Paes, Cabral não teve outros compromissos e passou o resto do dia com a família, a espera do confronto à noite.

Fabiana Cimieri