Seu browser não suporta JavaScript!

23/01/2008 | Jornal do Brasil

Cartão vermelho para o Bola Preta

Um dos mais tradicionais blocos de rua do Rio, o Cordão da Bola Preta, foi despejado na manhã de ontem de sua sede, na Avenida Treze de Maio, número 13, no Centro. A agremiação recebeu uma ordem judicial de despejo movida pelo condomínio do Edifício Municipal devido a uma dívida de R$1,5 milhão, que cresce desde 1999.

O vice-presidente do bloco, Ubirajara Celestino Zapponi, disse que os móveis e objetos estão sendo destribuídos entre as outras salas que pertencem ao Bola Preta, no mesmo prédio. ­ Os móveis maiores serão le vados para um depósito público ­ contou Ubirajara. A ordem de despejo foi autorizada pela juíza da Daniela Brandão Ferreira, da 38ª Vara Cível. Apesar da saída forçada da sede, o presidente do Bola Preta, Pedro Ernesto de Araújo Marinho, garantiu que o bloco vai desfilar nesta sexta-feira. ­ O nosso próximo desfile será, agora, uma concentração na Cinelândia. Iremos nos manifestar contra o que está sendo feito com o bloco a 10 dias do carnaval ­ ressaltou. ­ E, no dia 2, estaremos fazendo nosso tradicional desfile de carnaval. Se cancelássemos, seria um descaso com a população que prestigia o Bola Preta. Segundo ele, faltou bom senso às autoridades ao despejá-los pouco antes do carnaval. ­ Todas as medidas jurídicas cabíveis estão sendo tomadas para reverter essa situação ­ afirmou Pedro Ernesto.

Segundo a assessoria do bloco, eles entrarão com um recurso ainda hoje para tentar postergar a ordem de despejo em, pelo menos, um mês, até que se encontre uma outra solução. O deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ) lembrou que em 2003, como vereador, instituiu uma lei em que declarou o bloco carioca patrimônio cultural. Além de dar prestígio ao Bola, a lei desonerou o pagamento de IPTU desde seu sancionamento, há mais de quatro anos. O vice-presidente Ubirajara contou que estava sendo planejada uma campanha institucional. No valor de R$10, carnês seriam distribuídos, através de parcerias com veículos de comunicação, para que a população pudesse ajudar. ­ Estamos aqui há 59 anos e gostaríamos de continuar ­ disse Ubirajara.

MEMÓRIA JB

Quem não chora, não mama

O bloco Cordão da Bola Preta foi fundado na rua da Glória nº 88, e saiu pela primeira vez em 13 de dezembro de 1918. Está entre os últimos representantes dos antigos cordões carnavalescos que proliferavam no Rio. O personagem mais marcante desses quase 90 anos de história foi Francisco Carlos Brício, presidente por diversas vezes. Ele foi o autor da compra da sede da avenida Treze de Maio, em 1950. O desfile do bloco costuma abrir o carnaval da cidade. Ele sai pelas ruas do Centro e é puxado pela tradicional banda com instrumentos de sopro e um vasto repertório de marchinhas de carnaval. O hino do Bola Preta é um dos mais conhecidos com o refrão ´Quem não chora, não mama´.