Seu browser não suporta JavaScript!

21/02/2013 | Portal da Câmara dos Deputados

'O cerceamento à liberdade e a opressão são incompatíveis com o exercício da natureza humana'

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sessão: 011.3.54.O Data: 21/02/2013 Hora: 11:32 Fase: OD

O SR. OTAVIO LEITE (PSDB-RJ):

Todos sabemos que uma das características fundamentais da natureza humana está na capacidade de o homem refletir, raciocinar, discernir, e esses atributos fluem tão somente quando há o ambiente de liberdade.

O cerceamento à liberdade e a opressão são incompatíveis com o exercício da natureza humana. Portanto, não é cabível que haja, em qualquer lugar do planeta, ainda nesta etapa civilizatória, algum estado, alguma nação onde a liberdade seja cerceada, onde seus filhos, seus habitantes não possam propor, refletir, discernir, participar ativamente da sua vida interna.

O que nós assistimos ontem foi um exemplo formidável de que esta bandeira, que está acima dos partidos políticos, a bandeira em prol da liberdade de opinião, de expressão, é algo superior que todos nós devemos abraçar.

A edição de hoje do Jornal da Câmara revela com extrema nitidez a amplitude e a força dessa causa. Na primeira página temos uma foto da mesa principal em que, ao lado de Yoani Sánchez, estão Deputados do PSDB, do DEM, do PPS, do PT, do PMDB, do PV, do PP, de quase todos os partidos políticos que defendem linhas de pensamento.

Eu queria transmitir a V.Exa. e a todos os colegas as palavras de Yoani Sánchez, quando fui levá-la ao aeroporto, em agradecimento à acolhida que ela aqui teve.

Ela pouco estava se importando com quem estava dentro daquela sala, que corrente de pensamento cada um tinha. Apenas o que era importante para ela era saber que estavam todos lá, na pluralidade que caracteriza o Estado Democrático de Direito.

Portanto, Sr. Presidente, o Senado Federal e a Câmara dos Deputados ofereceram no dia de ontem uma oportunidade maravilhosa para uma mulher se expressar e para o mundo perceber que nós achamos que a democracia é algo que não transigimos.

Viva a liberdade!