Seu browser não suporta JavaScript!

10/07/2004 | Jornal O Dia

Cesar: adversários omitem bens

Candidato à reeleição, prefeito acusa Luiz Paulo Conde e Marcelo Crivella de não declararem todo patrimônio da família ao Tribunal

A divulgação do patrimônio dos candidatos à prefeitura detonou a troca de acusações na briga pela sucessão municipal.

O prefeito Cesar Maia, que disputa a reeleição pelo PFL, afirmou que o vice-governador Luiz Paulo Conde, candidato pelo PMDB, transferiu para pessoas de sua família boa parte dos seus bens. Ele também garantiu que o candidato do PL, senador Marcelo Crivella, tem mais bens do que os declarados ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O Ministério das Comunicações confirmou que o senador é acionista de duas TVs, que não constam na declaração de renda do evangélico.

“Desapareceu o escritório dele (Conde) de urbanismo? E a empresa dele de informática? Foram transferidas de nome e ele apresenta patrimônio pequeno. O Crivella tem patrimônio. Isso vai aparecer,” afirmou Cesar. Segundo o ministério, o senador é acionista das TVs Franca, em São Paulo, e Cabrália, em Itabuna, na Bahia. Crivella informou ao TRE possuir apenas R$ 21 mil.

O senador, porém, continua negando que tenha outros bens: “Fui sócio minoritário há dez anos, mas já passei as empresas. Não tenho bens em nome da minha família. Meu nome ainda consta no ministério porque os processos são lentos”.

Conde admitiu, em nota à imprensa, ser apenas membro da organização não-governamental Vivercidades, que atua na área de urbanismo. Entre as empresas da família de Conde estão a STA Arquitetura, que pertence ao filho do vice-governador Marcelo Conde. A empresa também foi alvo de denúncias em campanhas passadas. A mulher, Rizza, e a filha de Conde, Maria Elisa, são donas de uma loja de roupas.

Conde chama Cesar de desequilibrado, diz que acusações são levianas e também cobra explicações de Cesar: “Ele tem que dizer como aumentou o patrimônio se há mais de 20 anos exerce funções públicas”. O prefeito declarou R$ 1.703.572,03. E disse não ter despesas: “Eu aplico 70% do meu salário (quase R$ 6,8 mil) no mercado financeiro e tenho imóveis alugados”. (colaboraram Renata Giraldi e Cristiane Campos)

Nilo se defende atacando: ‘Sou o mais rico ou o mais sincero’

A ‘pobreza’ de Crivella também causou desconfiança na candidata do PCdoB, Jandira Feghali. “Algumas declarações me pareceram irreais. Mas o povo, a Justiça e a Receita Federal são quem deve ver isso”, disse.

O petista Jorge Bittar, que declarou possuir apenas R$ 112.048,17, prefere suspeitar que os adversários tenham se enganado: “Cabe à imprensa e à sociedade julgar e investigar”. Mais rico dos candidatos, Nilo Batista (PDT) diz ser apenas o mais sincero. “Trabalhei muito nessa vida para ter o que declarei. Será que sou mesmo o mais rico? Ou o mais sincero do ponto de vista fiscal?”, questiona.

Somente ontem, o candidato do PPS, André Corrêa, entregou a sua declaração ao TRE. Atribuiu o atraso a um erro de seu comitê. Segundo ele, seu patrimônio, no ano passado, foi de 512.045,52. Ele, porém, disse ter uma dívida de financiamentos que soma R$ 331.314,58.

Eleitor sugere viagra a Cesar’

Os eleitores da terceira idade estão com a libido em alta nesta campanha. É o que se constata das sugestões colhidas pelo seu candidato a vice, Otavio Leite (PSDB), para o programa de governo do prefeito Cesar Maia. Um homem de 69 anos propõe a distribuição de um quite com viagra e camisinha para quem já chegou à terceira idade. O nome do programa seria, segundo ele, “Levanta, Brasil”. Já uma eleitora viúva e católica pediu a criação de uma agência de casais. “Os encontros poderiam ser promovidos através de bailes”, sugere a eleitora.

Outra estratégia do prefeito é investir no voto do eleitorado do senador Marcelo Crivella (PL), que as pesquisas definem como sendo a mulher não evangélica, de baixa renda e baixa escolaridade.