Seu browser não suporta JavaScript!

26/08/2004 | Jornal do Commercio

Cesar nega ter distribuído doces

Candidato à reeleição, o prefeito Cesar Maia (PFL) negou qualquer envolvimento na distribuição de guloseimas em sacolas com seu nome estampado, durante evento na quadra da Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel. O prefeito, que acusa o Governo do Estado de promover assistencialismo, atribuiu a iniciativa a ´algum vereador´.

Ao manter a linha do contra-ataque, Cesar Maia voltou a criticar o secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, afirmando ser ele ´o político mais rejeitado da cidade´. Na interpretação do prefeito, Garotinho não aparece nos programas eleitorais de Luiz Paulo Conde (PMDB) para não diminuir a posição do pemedebista nas pesquisas de intenção de voto, nas quais aparece em terceiro lugar.

Cesar ainda acusou Garotinho de tentar impedi-lo de fazer campanha em alguns pontos da cidade.

- Além de ser diretor da ONG que distribui cestas básicas para beneficiar um candidato, ainda intervém como secretário de Segurança no processo eleitoral, paga matérias na imprensa e, inclusive, já me coagiu algumas vezes, tentando impedir minha ida a eventos.

Quem me procura em nome dele é um delegado ou um coronel da Polícia Militar, mas nunca apresentam um documento - relatou, acrescentando não ter problemas para ir a qualquer lugar do Rio porque pode contar com o apoio de policiais militares.

O prefeito desmentiu os adversários, principalmente Conde, que o vem acusando de atrasar as obras dos Jogos Pan-Americanos de 2007, assegurando que elas estão dentro do prazo e que os comentários de Conde não passam de jogo eleitoral. Destacou, ainda, que o Estado e União não estão cumprindo compromisso assumido na Cidade do México, de ratear as despesas com o município para a realização do evento. O prefeito negou também que o município acumule dívida de R$ 300 milhões com fornecedores.

Ao receber estudantes de escola pública, ontem, no Palácio da Cidade, o prefeito deu aula de estratégia de marketing para explicar que o político, ao encontrar o eleitor nunca deve cumprimentá-lo sem olhar nos olhos ou afrouxar o aperto de mão.

- O abraço, então, não pode ser contido, tem que ser redondo, envolver a pessoa - ensinou.

Na oportunidade, Cesar abriu a guarda e, finalmente, acabou dando ao adversário Jorge Bittar um apelido, já que o petista era o único entre os cinco mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto que ainda não havia sido apelidado pelo prefeito.

- É só colocar o Bittar ao lado do Conde e teremos uma dupla de cinema. Um é o Oliver e o outro... - disse, reticente, referindo-se à famosa série cômica da televisão O Gordo e o Magro.

O prefeito admitiu que incorporou idéias anunciadas por Bittar - bilhete único nos transportes e construção de 100 mil casas populares - e não sente nenhum constrangimento com isso. Segundo ele, os bons projetos devem ser copiados.

- Não tenho vergonha de acompanhar as boas idéias. Por que não o faria? Por ciúmes? - questionou, argumentando que nem ele nem Conde são ´os pais´ do Favela-Bairro, uma adaptação, esclareceu, de projeto desenvolvido no governo Negrão de Lima, nas décadas de 50 e 60.

Candidato a vice faz corpo a corpo com ator ´vestido´ de Cesar Maia

Candidato a vice-prefeito na chapa de Cesar Maia, Otavio Leite (PSDB) testou ontem à tarde a popularidade do prefeito em caminhada pela Praça Saens Peña, na Tijuca, acompanhado do ator Adalbaerto Nunes, ´vestido´ de Cesar Maia. A máscara do boneco Cesinha, usada pelo ator, foi confeccionada por Rodrigo Faria Lima.

Otavio continuou sua tarefa de recolher sugestões de eleitores a fim de eleborar um relatório para o prefeito .

Nesse trabalho, aliás, tem recolhido algumas idéias excêntricas, como o pedido da criação de uma agência de encontros para idosos e a distribuição de Viagra.