Seu browser não suporta JavaScript!

18/07/2004 | O Globo Online

Cesar e Serra querem programas comuns entre Rio e São Paulo

Os candidatos às prefeituras do Rio e de São Paulo Cesar Maia (PFL) e José Serra (PSDB), respectivamente, anunciaram que, se eleitos, irão promover um intercâmbio estreito entre os dois governos, para trocar experiências e até realizar programas conjuntos.

O acordo foi fechado durante encontro no Palácio da Cidade, em Botafogo, do qual participaram secretários cariocas, o ex-governador do Rio Marcello Alencar e o deputado federal Rodrigo Maia (PFL-RJ).

Cesar e Serra assumiram ainda o compromisso de participar de eventos de campanha um do outro no Rio e em São Paulo.

- Há muita experiência para trocar entre Rio e São Paulo. Por exemplo, o programa de medicamentos por correio é muito interessante, se eleitos, vamos aplicá-lo em São Paulo - detalhou Serra.

Ao falar sobre a dívida que o futuro prefeito paulista herdará, o candidato à tucano afirmou que seu programa prevê cortes de despesas:

- Um problema são os precatórios que nunca foram pagos. O segundo é do déficit orçamentário que em São Paulo tem crescido. Passou de R$ 200 milhões em 2002 e se aproximou de R$ 600 milhões em 2003. Neste ano, caminha para um nível maior se não forem tomadas medidas enérgicas.

Isto acrescenta dívida à dívida. E é o que nos preocupa mais imediatamente em São Paulo. Porque significa prazos por parte da Prefeitura. Eu creio que em São Paulo há uma margem muito grande para redução e cortes de despesas, uma margem extraordinária. Isto por um lado.

Por outro, a questão nacional, de coeficiente de indexadores, isto é uma questão que terá que ser oportunamente analisada com autoridades federais, com o Senado, sendo que se a Prefeitura tiver um programa de austeridade como nós vamos fazer, se formos eleitos, ela terá mais funções políticas para tratar este assunto até porque terá mais força.

Já o prefeito Cesar Maia afirmou que a situação no Rio está sob controle e criticou a postura do Ministério Público Federal na cobrança da Lei de Responsabilidade Fiscal:

- O que eu pergunto é o seguinte, a LRF é para valer ou é de mentira? Porque não foi cumprida pelo Governador do Rio Grande do Sul, que é ministro; pela ex-governadora do Rio que foi ministra e pelo governador de Minas, Itamar Franco, que os restos a pagar eram maiores que a disponibilidade. Isto dá dois anos de cadeia - advertiu o pefelista.

Ao final do encontro, os candidatos decidiram que os coordenadores dos seus respectivos Planos de Governo - Otavio Leite, no Rio, e José Aníbal, em São Paulo - devem se encontrar para definir pontos comuns à plataforma de campanha.

- A idéia, em primeiro lugar, é estabelecer uma periodicidade, após a eleição, para o diálogo dos prefeitos e secretários afins. Afinal, Rio e São Paulo têm problemas comuns a mega-cidades e esta parceria com certeza dará muitos frutos - disse Otavio Leite.