Seu browser não suporta JavaScript!

21/03/2013 | Portal do PSDB na Câmara

Condomínio do Minha Casa, Minha Vida criado para abrigar famílias em Niterói já apresenta falhas, lamenta deputado

O deputado Otavio Leite (RJ) lamentou as falhas identificadas nas obras do condomínio Zilda Arns II, planejado para abrigar famílias do Morro do Bumba, em Niterói (RJ), vítimas de deslizamentos provocados pelas fortes chuvas, em 2010. O condomínio, que integra o programa do governo federal Minha Casa, Minha Vida, orçado em R$ 22 milhões, apresenta problemas estruturais. Dois prédios deverão ser demolidos.

“Antes de falar, Dilma [Roussef] tem que fazer o que prometeu. No mínimo, deveria ter se interessado quanto à execução das obras anunciadas. É muita pretensão, nesse momento, questionar a população pobre, quando na verdade o que faltou foi a oferta de políticas habitacionais”, afirmou.

Na segunda-feira (18), ao comentar a tragédia que resultou na morte de 30 pessoas em Petrópolis, região serrana do estado, devido às fortes chuvas, a presidente disse que o governo precisa tomar “medidas mais drásticas” para retirar quem mora em locais de risco.

Esta semana, os trabalhos no Bumba foram paralisados devido à falta de segurança. As edificações correm o risco de desabar. O condomínio deverá abrigar 450 famílias. O prazo inicial para a conclusão das obras era junho deste ano, mas em função da situação, ainda não há previsão. Para Otavio Leite, tudo isso reflete a incompetência do governo federal e a falta de compromisso com a população carente. “Quando se vão os holofotes, quando a imprensa para de repercutir o assunto, também se vai o governo. É o que ocorre na gestão do PT”, concluiu.

Três anos se passaram após a tragédia ocorrida no Morro do Bumba, onde 47 pessoas morreram e mais de três mil ficaram desabrigadas. A comunidade, erguida sobre um lixão desativado em 1986, desmoronou por conta das fortes chuvas que castigaram o Rio de Janeiro em abril de 2010. Atualmente, 268 pessoas, sendo 144 crianças, ainda vivem provisoriamente, em situação precária, no Batalhão de Infantaria de São Gonçalo, onde esperam a conclusão das obras e entrega dos apartamentos do Minha Casa, Minha Vida.