Seu browser não suporta JavaScript!

21/07/2003 | Globo Barra

Consórcio do saneamento será desfeito

Cedae nega atraso em obra e diz que substituirá empresa Ivaí, que pediu concordata

O consórcio de empresas formado para a construção da rede coletora de esgoto para ser lançado pelo emissário submarino da Barra será desfeito. Além do atraso nas obras, hoje estimado em cinco meses, isso representará um aumento de 25% do custo da execução do lote, orçado em R$ 46 milhões. A empresa Ivaí, que faz parte do consórcio com as empresas Banenge e Sanesc, está concordatária no Fórum de Curitiba. As informações são da Comissão Pró-Emissário, formada por deputados estaduais. A Cedae nega o atraso e diz que substituirá a empresa concordatária.

Segundo o presidente da comissão de deputados Otavio Leite, o cronograma de obras apresentado em março não será cumprido.

— A Cedae nos apresentou um cronograma informando que todos os três lotes das obras teriam a conclusão em abril de 2004. Mas o atraso da construção da rede coletora já não permite que o prazo seja cumprido. Uma porção de intervenções previstas não foi feita, redundando em um atraso de cinco meses, na melhor das hipóteses. A comissão detectou que a obra só atingiu 26% em março. De lá para cá nada foi feito — diz Leite.

Além dos danos ambientais, o atraso traz problemas financeiros para o estado. A comissão de deputados apresentou um documento do Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontando para um acréscimo de 25% do custo da obra.

— Os atrasos redundam em desperdício de dinheiro público. Canteiros paralisados têm custo de manutenção, pagos pela Cedae — afirma Leite.

A falta de investimento no meio ambiente, ainda segundo os deputados da Comissão Pró-Emissário, foi responsável pela reprovação das contas do governo Garotinho e Benedita pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Há mais de R$ 297 milhões na conta do Fecam (Fundo de Conservação do Meio Ambiente) que não foram usados. A governadora Rosinha Matheus propôs uma emenda à Constituição do estado diminuindo de 20% para 5% o repasse dos royalties do petróleo para o Fecam.

A assessoria de comunicação da Cedae diz que não será necessário fazer nova licitação para substituir a empresa concordatária. A companhia nega, no entanto, que haja atraso na execução das obras, ou que esteja arcando com os custos adicionais na implantação do saneamento. O nome da nova empresa, que substituirá a Ivaí, deverá ser anunciado ainda nesta quinta-feira pela companhia ou provavelmente em uma semana.