Seu browser não suporta JavaScript!

17/05/2007 | Jornal O Globo

Contrapartida vem na Câmara

Enquanto ganham velocidade as nomeações políticas para o segundo escalão do governo, os trabalhos da CPI do Apagão Aéreo na Câmara esbarram na força da maioria governista, liderada pelo PMDB e PT. Os governistas passaram o rolo compressor e derrubaram, por 15 votos a nove, o requerimento do PSDB com o qual a oposição pretendia incluir nas investigações da CPI os contratos e supostas irregularidades em projetos e obras do setor.

No Senado, governo e oposição confirmaram acordo que deve garantir hoje, na instalação da CPI do apagão, o senador Tião Viana (PT-AC) na presidência e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) na relatoria. O governo não tem maioria folgada na Casa e poderá ter dificuldades.

Na Câmara, os deputados Gustavo Fruet (PSDB-PR), Otavio Leite (PSDB-RJ) e Vanderlei Macris (PSDB-SP) pretendiam requerer as auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre controle e segurança do tráfego aéreo, contratos e investimentos feitos no setor desde o governo Fernando Henrique Cardoso. A discussão virou um embate entre governo e oposição.

- Se houver irregularidades, mais dia menos dia isso virá à tona. É melhor que tomemos a iniciativa de investigar. A CPI do Senado poderá ser um espelho dessa. O que não fizermos aqui será feito lá. Para que não sejamos pegos como negligentes, não devemos encobrir nada - disse Fruet. (...)