Seu browser não suporta JavaScript!

24/03/2015 | Jornal O Globo

CPI da Petrobras pedirá imagens de hotéis onde Vaccari, Duque e Barusco se encontravam

Por Letícia Fernandes

RIO - Integrantes da CPI da Petrobras aprovaram na tarde desta terça-feira, a pedido do deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ), requerimento para a obtenção de imagens do circuito interno de câmeras dos hotéis onde se encontravam o ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco, o ex-diretor de Serviços da estatal, Renato Duque, e João Vaccari Neto, tesoureiro do PT. A CPI também autorizou uma visita ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O objetivo é identificar os impactos e prejuízos causados pela diminuição das atividades no local.

O parlamentar tucano afirmou que a CPI já providencia envio de ofício à Polícia Federal para que ela obtenha as imagens das câmeras de restaurantes e áreas comuns dos hotéis Windsor Copacabana e Radisson, antigo Sheraton, no Rio de Janeiro, e do hotel Meliá, em São Paulo. Os três estabelecimentos teriam sido palco de encontros entre os executivos da Petrobras e o tesoureiro petista, onde eles teriam negociado detalhes da divisão da propina, segundo depoimentos obtidos através de delação premiada.

— A partir de amanhã (quarta-feira), vamos ficar em cima, é uma operação que me parece fácil (obter as imagens do circuito de câmeras dos hotéis). Pedimos a obtenção das fitas das gravações das áreas internas dos hotéis onde os jantares do trio impossível, Barusco, Duque e Vaccari aconteciam, e uma visita in loco da CPI ao Comperj, para identificar os prejuízos, demissões e a realidade do freio das atividades — contou.

A aprovação dos pedidos feitos pela oposição foi unânime. Otavio Leite disse que a votação foi tranquila, e que “ninguém teria coragem de obstruir os requerimentos”:

— Foi tranquila (a votação), ninguém teve coragem de obstruir isso. No depoimento do Renato Duque, quando eu perguntei, ele disse que conhecia os hotéis, e o Barusco deu detalhes, disse até que era amigo dos garçons.

O deputado afirmou que ainda não sabe as datas exatas em que os encontros ocorreram, mas que, com as imagens em mãos, poderá comprovar as “íntimas relações” que os três possuíam:

— Nos autos, não estão especificadas as datas, mas essas cenas podem ser comprobatórias das íntimas relações que eles possuíam, e esses momentos nos quais estabeleciam o racha da propina.