Seu browser não suporta JavaScript!

06/06/2012 | Jornal Brasilturis online

Críticas ao veto presidencial para o visto eletrônico

O deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ) criticou o veto da presidente Dilma Rousseff à emissão de vistos eletrônicos para turistas estrangeiros. O parlamentar incluiu a proposta na Lei Geral da Copa para acabar com a burocracia na emissão de vistos, porém, este foi um dos itens vetados na sanção presidencial.

Segundo declaração do parlamentar, "o veto deixa o turismo brasileiro de luto. O visto incrementaria a vinda de norte-americanos para o país porque desburocratiza o processo.", afirmou Leite, que se manifestou contrariado com a posição do governo,

Outra crítica que sobrou para o Brasil ainda no caso dos vistos foi a do secretário geral da OMT, Taleb Rifai, ao participar nesta semana em Amã, na Jordânia, de uma conferência internacional de turismo. Afirmou que o Brasil não deveria retaliar países que dificultam a entrada de turistas brasileiros. “Pelo contrário, deveria facilitar ainda mais. A experiência de visitar o Brasil deve ser mais fácil”.

Para Taleb, a estratégia é negativa para a economia do Brasil. "Se os britânicos dificultam a entrada de brasileiros, o Brasil também vai dificultar a entrada de britânicos. Diplomaticamente pode estar correto, mas realisticamente, não. Reciprocidade significa []olho por olho[]. O que isso faz é deixar o mundo cego no final das contas. Não funciona."

O dirigente disse também que negativa de visto deveria ser uma oportunidade. "Se você não quer me dar o visto, tudo bem. Eu dou um visto para você. Venha me visitar e gastar seu dinheiro no meu país."

Como dirigente da principal organização mundial do setor, Taleb acrescentou posições que são defendidas com lógica para o implemento do turismo. "Muita coisa pode ser feita só com pequenos ajustes. Mais informações na internet sobre como obter o visto, concessão eletrônica de vistos e aumento dos países cujos cidadãos são dispensados de visto. Isso não custa muito financeiramente. É apenas um investimento político."

E completou, com uma observação lógica sobre a promoção do destino. A propaganda do país no exterior de nada adianta, se não for fácil chegar para o turista chegar e entrar. "Você pode fazer toda a promoção que quiser, mas se é difícil chegar ao país, não funciona."

"Isso não diz respeito só ao Brasil, mas a vários lugares do mundo. Porém, é muito importante para o Brasil, porque o país já está pronto para crescer no turismo. Não precisa de nenhuma justificativa para se transformar no destino mais empolgante do mundo."