Seu browser não suporta JavaScript!

22/12/2004 | Jornal do Commercio

Délio Leal assume a vaga do deputado Albano Reis

Alerj - Primeira sessão homenageia o Papai Noel de Quintino

O deputado Délio Leal (PMDB) tomou posse ontem na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), em sessão extraordinária, assumindo a cadeira deixada pelo deputado Albano Reis, encontrado morto no último sábado. Antes de assumir, Leal teve que pedir exoneração do cargo de secretário estadual de Justiça e Direitos do Cidadão. A secretária de Estado Chefe do Gabinete Civil, Rosely Pessanha, assumirá a secretaria.

Com 35.309 votos, Délio Leal ficou como primeiro suplente da coligação Todos pelo Rio (PFL-PSDB-PMDB). Caso Leal não deixasse a secretaria, o cargo seria ocupado pelo suplente Walney Rocha. Ao tomar posse, o novo deputado lamentou o falecimento de Albano Reis.

- Eu me estava preparando para ser efetivado no dia 1º de janeiro, na vaga do Otavio Leite (PSDB). Assumiria com alegria. Mas agora fico triste por ter perdido um amigo com rara sensibilidade no trato com a população carente - disse em seu discurso de posse.

Na primeira sessão plenária após a morte de Albano Reis (PMDB), conhecido como Papai Noel de Quintino, os parlamentares fizeram um minuto de silêncio em sua homenagem. O presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), acolheu sugestão do líder do PSDB, Luiz Paulo Corrêa da Rocha, para que a Casa vote antes do recesso todos os projetos do deputado Albano Reis. Picciani informou ainda que a placa com o nome do parlamentar, que ficava no painel eletrônico do Plenário Barbosa Lima Sobrinho, será assinada por todos os deputados e entregue à família de Albano Reis como reconhecimento pelo seu trabalho no longo de cicno mandatos no Parlamento estadual.

O corpo de Albano Reis foi encontrado na noite do último sábado na rodovia Rio-Santos. O laudo do IML de Nova Iguaçu atesta morte por atropelamento. A polícia ainda não descarta a hipótese de assassinato, levantada pelo filho do deputado, Jefferson reis, que afirma ter elementos que levam a crer que o atropelamento tenha sido intencional. O deputado sofreu lesões no fígado, nos intestinos e perda de massa encefálica, além de ter tido fraturas e escoriações. A causa da morte foi hemorragia interna na cabeça, no tórax e no abdômen.