Seu browser não suporta JavaScript!

11/02/2008 | Plenário da Câmara

Deputado expõe preocupação com o ano parlamentar que se inicia.

O SR. O SR. OTAVIO LEITE (PSDB-RJ. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, gostaria de, em breves palavras, expor minha preocupação com o ano parlamentar que iniciamos neste instante. Confesso que o faço, apesar de ser Deputado de primeiro mandato, na certeza de que entre as responsabilidades máximas de que a população nos incumbiu está a de legislar.

É óbvio que fiscalizar o Poder Executivo é outra responsabilidade igualmente importante. E sermos interlocutores da sociedade organizada para interpretar e buscar que as leis, as regras jurídicas sejam mais sábias, mais justas e mais atuais também é em si outra responsabilidade. Mas não podemos fugir à precípua e maior das nossas responsabilidades: legislar. E, pelo que sei, Sr. Presidente, um conjunto muito grande de projetos está dormitando nas Comissões, muitos deles aptos a serem examinados pelo Plenário. Essa é nossa tarefa primordial.

Curiosamente, há um projeto que, devo dizer, soube com satisfação que há pouco a reunião dos Líderes entendeu como prioritário para a apreciação: o que cuida da divulgação da execução orçamentária em tempo real em todos os entes federativos. Essa será uma contribuição extremamente oportuna, no instante em que atravessamos nesta etapa da civilização político-administrativa brasileira a necessidade imperiosa de cada vez mais ser transparentes, claros, colocando todos os nossos passos e dados à disposição da população. Falo nós, Poderes constituídos: Judiciário, Legislativo e Executivo.

Portanto, quero fazer dessas minhas palavras um prenúncio e um brado de satisfação, na certeza de que é preciso ter esperança, fé e otimismo, para que tenhamos neste ano não os descaminhos e equívocos do passado, muitas vezes provocados pelo império da mídia, que faz com que as agendas sejam desvirtuadas do seu caminho mais correto e adequado. Não! A opinião pública é indispensável e os meios de comunicação são fundamentais, mas devemos zelar, indiscutivelmente, pelas tarefas maiores que nos dizem respeito, e a que mais merece a nossa atenção é a de legislar.

Muito obrigado, Sr. Presidente.