Seu browser não suporta JavaScript!

13/02/2014 | Portal G1

Deputados federais querem discutir morte de cinegrafista com Beltrame

Por Felipe Néri

Comissão da Câmara dos Deputados formada por 22 parlamentares do Rio de Janeiro quer se reunir na próxima segunda-feira (17) com a Secretaria de Segurança Pública do estado para acompanhar as investigações sobre a morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes. O colegiado ainda espera confirmação da presença do secretário José Eduardo Beltrame.

O cinegrafista foi atingido por um rojão no último dia 6 em um protesto contra o aumento das passagens de ônibus no Rio de Janeiro e teve morte cerebral nesta segunda. A polícia já identificou e prendeu dois suspeitos de envolvimento no caso. Ambos acusam um ao outro de terem acendido o rojão. Também está sendo investigada a suposta existência de financiadores que estariam pagando para manifestantes participarem dos protestos.

Para o deputado Alfredo Sirkis (PSB-RJ), um dos membros da comissão externa, mesmo com a instauração de inquérito policial, é preciso haver acompanhamento de perto do caso por parlamentares. "Vamos levantar os fatos de forma mais abrangente, inclusive verificando o que há por trás disso tudo. Há informação de que manifestantes teriam sido pagos, e que há envolvimento de deputados nos protestos", declarou Sirkis.

Advogado de suspeitos da morte de cinegrafista não descarta deixar caso

Após a reunião com o Secretaria de Segurança do Rio, os deputados deverão apresentar relatório sobre o caso, mas ainda não há previsão de que medidas poderão ser tomadas pela Casa. Também integrante do colegiado e presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara, o deputado Otavio Leite (PSDB-RJ) solicitou ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RJ), agilidade na votação de projetos que criam normas para a realização de protestos.

"Vamos expressar no Rio o apoio da Câmara para que haja as investigações sobre o caso desvendem todas as indagações. Mas precisamos abreviar no Legislativo a tramitação dos projetos sobre as manifestações. O país precisa de uma lei de ética das manifestações, que assegure o direito de manifestar mas com punições contra excessos e extremos", disse Leite.

Nesta terça, a Câmara aprovou uma moção de pesar pela morte de Santiago Andrade. No texto aprovado pelo plenário, de autoria do líder do PSDB, Antônio Imbassahy (BA), os deputados dizem que o Legislativo tem o "dever" de exigir que os responsáveis pelo crime sejam identificados e "exemplarmente punidos".