Seu browser não suporta JavaScript!

30/01/2008 | Jornal O Estado de Minas

Disputa paulista traz Serra a BH

Governadores tucanos tentam afinar discurso, mas paulista quer a candidatura de Kassab e mineiro defende o lançamento de Geraldo Alckmin. Os dois miram campanha de 2010

Os governadores Aécio Neves, e José Serra (São Paulo), ambos do PSDB, jantaram ontem no Palácio das Mangabeiras com o objetivo maior que o de manter qualquer nível de convivência - os dois disputam espaço no partido para a sucessão presidencial de 2010 - ou, no caso específico do paulista, provar o cardápio da residência oficial do chefe do Executivo do estado. O principal assunto foi o mais novo impasse no ninho tucano: a disputa pela capital paulista nas eleições de outubro.

Os dois evitaram confirmar que o assunto foi discutido, mas tentaram atenuar a importância da questão. Aécio disse que ´não se pode dar caráter maior às eleições municipais, do que realmente elas têm´. Serra foi na mesma linha: ´Nunca houve relação direta e linear entre as eleições municipal e a presidencial´. Perguntado sobre a possível candidatura do mineiro, Serra brincou: ´Ajudo a gritar ´viva Aécio´. Na verdade, o ideal para Serra seria ver Aécio longe do debate da sucessão em São Paulo ou ter o governador de Minas ao seu lado, defendendo a reeleição de Gilberto Kassab (DEM). Aécio, porém, tem simpatia pela candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB). Para Serra, a manutenção de Kassab na prefeitura é a garantia de que teria mais força no jogo sucessório de 2010. Outro empurrão na sua campanha, talvez o principal, seria ter Alckmin fora de um cargo executivo até 2010.

Para Aécio, o ideal seria exatamente o racha entre Serra e Alckmin, os dois principais nomes de São Paulo na sucessão presidencial. O governador mineiro, que tem os vizinhos paulistas como o principal entrave na tentativa de se eleger presidente da República, poderia ter pelo menos parte dos tucanos de São Paulo do seu lado em 2010.A visita de Serra ocorreu exatos sete dias depois de o deputado estadual por São Paulo, Bruno Covas (PSDB), neto de Mário Covas, se reunir com Aécio no Palácio da Liberdade. Defensor da candidatura de Alckmin, o parlamentar esteve em Belo Horizonte para conversa com o governador, um dia depois de oferecer jantar a parte da bancada tucana na Assembléia de São Paulo.

A briga pela prefeitura paulistana pode fazer vítimas também em outra disputa: a liderança do PSDB na Câmara. O cargo é pleiteado por Arnaldo Madeira e José Aníbal, ambos deputados por São Paulo. Dois dias depois da visita de Bruno Covas ao governador, Madeira esteve com Aécio no Palácio das Mangabeiras. Ao menos no discurso, o parlamentar deixou claro o desejo de, caso seja escolhido líder, não incentivar debates sobre a sucessão presidencial, o que, no caso dos tucanos, poderá ser inevitável quando se tratar das discussões sobre o nome que deverá ocupar o Palácio dos Bandeirantes.

Aécio e Serra concordam em relação à reforma tributária, também discutida no jantar. Eles defendem que o Planalto, antes de enviar o projeto ao Congresso Nacional, acerte alguns pontos fundamentais com os governadores.

Na onda de visitas interestaduais, Aécio também recebeu o deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ). Leite é pré-candidato do PSDB à Prefeitura do Rio de Janeiro.