Seu browser não suporta JavaScript!

30/09/2014 | Globo on line

Em Madureira, Aécio defende divulgação do programa de governo a conta-gotas

 

RIO — O candidato à Presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, respondeu nesta terça-feira as críticas sobre a divulgação de seu programa de governo por partes na última semana de campanha antes do primeiro turno das eleições. Segundo ele, o programa de sua candidatura seria o mais "bem elaborado". Ele afirmou que já divulgou, por exemplo, suas propostas para região Nordeste, para o agronegócio, projeto para a indústria, sustentabilidade e também para a segurança pública, com redução da maioridade penal para crimes hediondos. Ainda segundo o tucano, nesta terça-feira apresentará suas propostas para gestão do Estado e, na quarta-feira, para a área social.

— Ninguém tem um programa mais bem elaborado, bem acabado e discutido com propriedade do que o nosso — garantiu.

O candidato visitou nesta manhã o Mercadão de Madureira, um dos principais centros de comércio popular da cidade, na Zona Norte do Rio, onde deu entrevista para a rádio local. Ele caminharia pelos corredores do centro comercial, mas devido ao grande tumulto que se formou, decidiu recuar, para garantir a segurança. Antes de ir embora, em entrevista coletiva, Aécio focou seu discurso na política econômica, principalmente nos incentivos aos pequenos e microempreendedores. O candidato prometeu que na primeira semana de um eventual governo enviará ao Congresso uma proposta de simplificação do sistema tributário brasileiro.

Aécio lança programa de governo a conta-gotas


— Ele (o sistema) é oneroso, não apenas no nível de impostos que cobra. É extremamente alta a nossa carga tributária. Mas é oneroso também na complexidade do pagamento desses impostos — avaliou Aécio, que acrescentou:

— Quero reassumir meus compromissos com o crescimento da economia brasileira. Só crescendo vamos gerar empregos e renda. Vamos ter tolerância zero com a inflação. Quero permitir, com a simplificação do nosso sistema tributário e também com a desburocratização da vida das empresas, que cada vez mais o empreendedor possa ousar, contratando gente e ampliando seus negócios — disse ele, lembrando que o Simples foi criado no governo do PSDB.

CRÍTICAS ÀS ADVERSÁRIAS

No evento, Aécio esteve acompanhado por lideranças políticas de sua coligação no Rio, como os deputados federais Otavio Leite (PSDB) e Indío da Costa (PSD) e os deputados estaduais Jorge Picciani (PMDB) e Luiz Paulo (PSDB). No entanto, não contou mais uma vez com a participação do candidato ao governo do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), que se encontrará novamente nesta tarde com a presidente Dilma Rousseff (PT), sua adversária. Quem representou a chapa do peemedebista no encontro foi seu candidato a vice, Francisco Dornelles (PP). Interlocutores da campanha tucana afirmaram, no entanto, que não existe um mal estar com a situação, já que desde o início da corrida eleitoral estava clara a simpatia de Pezão por Dilma. Um deles chegou a afirmar que "os generais estariam com Dilma, mas todos dos coronéis para baixo estão com Aécio".

Com o crescimento nas pesquisas, Aécio centrou fogo contra suas duas principais adversárias, Dilma Rousseff e Marina Silva (PSB). Ele voltou a criticar duramente o governo do PT em questões como a gestão econômica. Sobre Marina, afirmou que a candidata não adquiriu condições de governabilidade:

— A impressão que se tem sempre é que ela está a olhar sobre a cerca de sua propriedade para tentar enxergar no terreno, na grama do vizinho, algum fruto mais vistoso ou qualificado para que possa, num eventual futuro, fazer parte do seu pomar.