Seu browser não suporta JavaScript!

25/10/2011 | Portal G1

Em reunião tumultuada, oposição pede saída de Orlando Silva

Por Sandro Lima

Deputados da oposição pediram nesta terça-feira (25) que o ministro do Esporte, Orlando Silva, deixe o cargo devido às denúncias de desvio de verbas na pasta. Silva foi questionado por parlamentares da oposição sobre sua permanência no cargo e também sobre sua presença em audiência promovida pela comissão especial que analisa a Lei Geral da Copa.

O líder do DEM na Câmara, ACM Neto (BA), disse lamentar a presença do ministro na comissão. "A presença de vossa excelência é uma afronta ao povo brasileiro. O povo brasileiro quer o senhor fora do ministério", disse.

"O senhor está na condição de investigado [pelo STF] e não tem condições de estar no ministério", completou. A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia determinou nesta terça a abertura de inquérito para investigar o envolvimento de Orlando Silva em suposto desvio de dinheiro público do programa Segundo Tempo.

ACM Neto desafiou ainda Orlando Silva a participar de uma acareação com João Dias. Em depoimento à Polícia Federal nesta segunda-feira (24), João Dias afirmou que não tinha provas específicas que envolvessem diretamente o ministro. Ele diz ter entregado à PF 13 gravações e quatro documentos que comprovariam a participação de servidores da cúpula da pasta.

Parlamentares da oposição tentaram interpelar o ministro durante sua exposição inicial, mas foram impedidos pelo presidente da comissão, Renan Filho (PMDB-AL). O líder do PPS, Rubens Bueno (PR) deixou a comissão aos gritos em protesto contra a decisão do presidente da comissão. Segundo Renan Filho, os deputados somente poderão interpelar o ministro após a exposição inicial.

Após a exposição inicial de Orlando Silva, o deputado Pauderney Avelino (DEM-AM), questionou a presença do ministro na comissão, pois segundo ele, após as denúncias, os principais assuntos relativos à organização da Copa do Mundo serão comandados pela Casa Civil.

O deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), disse que há “fragilidade institucional” no ministério pois a negociação com a Fifa, segundo ele, será feita diretamente com a presidente Dilma Rousseff.

É a terceira vez que Orlando Silva vai ao Congresso desde que surgiram as denúncias de desvio de recursos na pasta. Nas duas primeiras vezes, o ministro foi convidado a falar sobre supostas irregularidades no Programa Segundo Tempo, que tem o objetivo de promover atividades esportivas em comunidades carentes.

Desta vez, segundo a assessoria de imprensa do Ministério dos Esportes, Silva teria como foco discutir as medidas previstas para a Copa do Mundo de 2014 e a Copa das Confederações de 2013. Em sua apresentação inicial, o ministro falou apenas sobre a Lei Geral.