Seu browser não suporta JavaScript!

23/11/2015 | PSDB na Câmara

Em visita ao Rio, Silvio Torres discute fortalecimento de bases partidárias

Vivendo uma curva ascendente de crescimento, consolidada pela posição do senador Aécio Neves nas últimas eleições presidenciais, o PSDB planeja dobrar, em 2016, o número de prefeituras espalhadas pelo Brasil. Hoje, elas somam 702.

O estado do Rio de Janeiro é considerado peça chave desta estratégia. E, na manhã desta segunda-feira, dia 23 de novembro, o Secretário-geral nacional do PSDB, o deputado federal Silvio Torres (SP), esteve no Rio para participar da reunião da Executiva Estadual do partido. Na ocasião, o presidente do diretório, o deputado federal Otavio Leite, apresentou relatório que mostra os esforços que vêm sendo realizados pelo desenvolvimento da sigla no estado: em 92 municípios fluminenses, os tucanos já tem pré-candidatos a prefeito definidos em 53. E 14 estão em análise. Nas últimas eleições municipais, o número total de candidaturas majoritárias foi de 10.

Segundo Leite, o foco está nas candidaturas próprias, principalmente nos municípios acima de 100 mil habitantes, em consonância com a orientação do PSDB Nacional. E nos casos de composições, existe a preocupação em manter a identidade partidária.

“Estamos gastando energia em atrair novos quadros e identificar potenciais lideranças, inclusive fora dos circuitos políticos. O objetivo é olhar para além das eleições municipais do ano que vem, também fazendo brotar candidaturas a deputados federais e estaduais em 2018. O horizonte é bem promissor”, avalia Otavio Leite.

O deputado Silvio Torres foi designado para acompanhar e apoiar o andamento destes esforços nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Ele concorda que é amplo o campo que se abre para o PSDB no Brasil inteiro, corrobora o quanto 2016 é o caminho para 2018 – quando o partido terá chance de ampliar o número de deputados estaduais e federais e chegar à presidência da república, e chama especial atenção para estratégias de estruturação partidária, rumo a bases municipais mais sólidas.

“Estamos em vias de consolidar o PSDB como o partido favorito da população, com o recente crescimento qualitativo de 30% a 40%. Na última eleição, conseguimos capitalizar boa parte da insatisfação das pessoas com o Governo e com o PT. Mas precisamos cuidar das fragilidades como, por exemplo, tornar o PSDB mais estruturado em todo o país. Temos ótimos quadros. Mas precisamos fortalecer diretórios, executivas e fazer crescer as bases. Candidatos a prefeito e a vereador são nossa prioridade, pois esses serão nossos candidatos a deputados federais. Para fazer bancadas em 2018, precisamos das bases municipais em 2016. E o trabalho tem que ser precoce, anterior, ou seja, agora!”, enfatizou.

Região Metropolitana

No Rio, a Executiva Estadual tem
cumprido uma série de agendas de interiorização partidária, com encontros regionais que vêm batendo quóruns recordes. Contudo, para o presidente Otavio Leite, o desafio maior está na capital e na Região Metropolitana, que concentram 75% do eleitorado da sigla – 40% e 35% respectivamente.

Na capital, o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, costura uma reunião prevista para o dia 30 de novembro com potenciais aliados: PSB, Solidariedade, DEM, PPS, entre outros.

“Independentemente disso, há um ambiente de conversa e de interesse em romper com domínio do PMDB no estado. E essas decisões têm sido tomadas com absoluta transparência”, acrescentou Leite.

Momento favorável aos tucanos

Silvio Torres também chamou atenção para um momento eleitoral em que a palavra de ordem será renovação: os candidatos terão que se adaptar à nova legislação eleitoral, que não permite mais o financiamento empresarial; e driblar a rejeição da população aos políticos que, para o secretário, chegou ao pior nível.

“Há um sentimento de mudança muito forte. Cerca de 30% de prefeitos do Brasil foram avaliados com ótimo e bom. O resto está no negativo. A reeleição será muito difícil. E o PSDB é um novo polo de poder. Não que exista eleição fácil. Mas algumas eleições são mais favoráveis do que outras, e nós estamos passando por um momento oportuno”, avaliou ele, lembrando que o PSDB é hoje a legenda mais procurada para filiações. “Conseguimos romper com essa ideia de partido fechado, elitista. Atualmente, somos o partido que mais filiou e que menos perdeu filiados”, complementou.

A Executiva Nacional do PSDB espera concluir, em dezembro, o relatório que definirá as estratégias nas eleições municipais de 2016 em 273 municípios do Brasil, com mais de 100 mil eleitores ou emissoras de TV geradoras.