Seu browser não suporta JavaScript!

06/10/2005 | Jornal Tribuna da Imprensa

Encontro de Cesar e Alckmim

Cesar Maia DESISTIU da candidatura. Foi o próprio alcaide, factóide, debilóide que comunicou isso. Quer dizer: DESISTIU do que nunca existiu. Desde que o prefeito do Rio começou a posar de candidato, várias vezes expliquei aqui: Cesar Maia está tentando alavancar a candidatura a governador do Estado do Rio, não agüenta mais ficar no plano municipal. Cesar Maia não abandona o desinteresse e desprezo pela opinião pública.

Para o PFL, Cesar Maia jamais passou de uma Roseana Sarney versão masculina. Sendo que Dona Roseana chegou a assustar o próprio PFL, que tinha medo de ser obrigado a ter candidato próprio.

O senador Bornhausen é o porta-voz do partido junto a Cesar, da mesma forma que Michel Temer executa o mesmo papel, ou melhor, papelão, junto a Anthony Mateus. Bornhausen veio ao Rio, trouxe o roteiro.

Estava escrito que o alcaide deveria chamar o governador de São Paulo e dizer o que disse. Nenhuma dificuldade. Maia apressadamente recitou, ´PSDB e PFL estão sempre juntos´.

E para o caso de Cesar Maia não cumprir (ninguém acredita nas suas palavras ou compromissos), Alckmin explicou: ´Aqui ao meu lado está o vice de Cesar Maia, que é do PSDB´.

Traduzindo: se Maia quiser fazer qualquer jogada e deixar a prefeitura, em 30 de março, quem assume é Otavio Leite, do PSDB, ´nós é que controlaremos tudo´. Maia entendeu, claro.