Seu browser não suporta JavaScript!

24/11/2004 | Jornal do Commercio

Entregue o Prêmio Notáveis 2004

Dez personalidades e dez empresas e entidades se destacaram por vencer desafios

O Prêmio Notáveis 2004, conferido pelo Jornal do Commercio, foi entregue ontem, no Hotel Glória, a dez personalidades e a dez empresas e instituições que no período se destacaram por sua capacidade de vencer desafios, conquistar mercados, ter competitividade e responsabilidade social. O prêmio, em sua 19a edição, é concedido a pessoas e empresas escolhidas por líderes empresariais, assinantes e corpo editorial do jornal.

Carlos Alberto Rodrigues Barros, presidente do Sindicato dos Leiloeiros Públicos do Estado do Rio de Janeiro; Carlos Ivan Simonsen Leal, presidente da Fundação Getulio Vargas; Carlos Luiz Martins, presidente da Varig; Carlos Wilson, presidente da Infraero; Emílio Odebrecht, representado por Roberto Dias; Homero Corrêa de Arruda Filho, vice-presidente da Copersucar; Márcio Cypriano, presidente da Federação Brasileira de Bancos e do Grupo Bradesco; Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp); Rodolfo Landim, presidente da BR Distribuidora; e Wagner Victer, secretário de Energia, Petróleo e Indústria Naval do Estado do Rio de Janeiro, receberam o troféu Personalidades Notáveis.

Receberam o prêmio em nome das empresas e instituições notáveis: Carlos Aguiar (Aracruz Celulose), Marcílio Marques Moreira (Associação Comercial do Rio de Janeiro), Kátia Rabello (Banco Rural), Carlos Trabuco Cappi (Bradesco Seguros e Previdência), Aser Cortines Peixoto Filho (Caixa Econômica Federal), Ernane Galvêas (Confederação Nacional do Comércio), Lídio Duarte (IRB-Brasil Resseguros), Silvano Gianni, (Sebrae Nacional), Paulo Bello (Supervia) e Ronald Levinhson (UniverCidade).

O presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro, embaixador e ex-ministro da Economia Marcílio Marques Moreira, em discurso em nome dos premiados, disse aos Notáveis que o Brasil encontra-se em uma encruzilhada. ´De um lado, enormes oportunidades oferecidas por recursos naturais abundantes, perfil demográfico propício, marcantes avanços em aperfeiçoamento democrático, construção institucional, gestão fiscal e condução macroeconomica.

De outro, gritantes desafios: internamente estruturas anquilosadas, educação inadequada, poupança insuficiente, investimentos não só insuficientes, mas a custos não competitivos - e não falo só de juros -, desigualdades sociais e regionais aberrantes´, detalhou.

- Não podemos embaçar nossa visão por ilusões vãs quanto ao futuro, por interpretações distorcidas do presente ou por nostalgia doentia do passado, deixando escapar as enormes oportunidades para o Brasil que o início do Século XXI está nos oferecendo - acrescentou.

Marcílio disse que experiência profissional - pública e privada -, de 50 anos, convenceu-o de que os brasileiros ´têm revelado maior proficiência na administração de crises do que na identificação e aproveitamento de oportunidades nascidas de circunstâncias domésticas ou internacionais favoráveis como é o caso hoje, 2004.´

Redução das taxas de juros

Também o presidente do Jornal do Commercio e da Rádio Tupi, Mauricio Dinepi, ao saudar os Notáveis, na abertura da solenidade, afirmou que o Brasil está vivendo um momento em que ´tem a chance de alçar-se vários degraus rumo à riqueza, à justa distribuição de renda, à qualidade de vida dos cidadãos e ao desenvolvimento sustentável´.

Segundo Dinepi, há consciência das dificuldades que podem ser causadas pela escalada no preço do petróleo, mas que, em sua visão, os brasileiros estão aptos a dar o salto, aproveitando as oportunidades do momento. Ele ressalvou, contudo, que será preciso reduzir as taxas de juros e a carga tributária.

Em 2005, afirmou Dinepi no discurso, o País necessitará de fortes investimentos em infra-estrutura, para que não seja interrompido o movimento de expansão econômica em curso.

- A massa de recursos essencial a estes investimentos, por si só, já demandaria do Governo ações capazes de reduzir a carga tributária e a taxa de juros - acrescentou. Dinepi mostrou-se, porém, confiante em que as medidas certas serão tomadas. Como destacou, o Governo brasileiro vem se mostrando determinado a manter a caminhada ´em direção ao crescimento e à responsabilidade social´.

Dinepi lembrou ainda o sucesso do País em ser competitivo o bastante para assegurar elevados saldos comerciais e crescente valor exportado. A meta de US$ 100 bilhões em exportações estabelecida para 2006 será superada no ano que vem, recordou, citando que, de acordo com o ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, a ´meta sonhada´ para 2006, agora, é a de exportar US$ 120 bilhões.

O presidente da Comissão Executiva do Condomínio Acionário dos Diários Associados e presidente do Correio Braziliense, Álvaro Teixeira da Costa, no encerramento da solenidade, enfatizou as boas perspectivas para 2005, porque o crescimento da economia é geral, como revelou a última pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizada em 13 Estados, ´todos auferindo taxas positivas´. Ele frisou também, entretanto, a necessidade de justiça fiscal para o País e disse que ´menor carga tributária e taxas de juros que remunerem o investidor, mas não penalizem o setor produtivo´, são armas com que o Brasil precisará contar para vencer o desafio de prover o País dos investimentos indispensáveis daqui em diante.

- Precisamos, em uma palavra, de investimentos. E para que haja investimentos na medida necessária, os recursos poupados pela sociedade não podem custar tão caro - afirmou.

Resultados expressivos

Álvaro Teixeira da Costa também disse que as Organizações Associadas têm feito sua parte, registrando expressivos resultados em diferentes empresas do grupo. ´Isto é fruto de uma linguagem empresarial uníssona, coesa, que busca, na valorização de seus recursos humanos e na adoção de tecnologias que acompanham as exigências do mercado, a realização de metas traçadas com base no entendimento e no diálogo, onde todos os seus dirigentes têm voz´, afirmou.

Segundo Álvaro Teixeira da Costa, o Prêmio Notáveis é uma atitude de reconhecimento àqueles que atuam em empresas, entidades de classe e instituições que gostam do Brasil, que defendem o Brasil, que têm compromisso com o Brasil com que todos sonham: desenvolvido, competitivo e integrado no mundo globalizado, ´onde só os muito dedicados têm chances de sobreviver e permitir ao seu povo melhores condições de vida e de avançar no conhecimento que se requer para uma nação que almeja integrar um dia o Primeiro Mundo´.

A solenidade lotou os salões do Hotel Glória. Participaram do ato, entre outros, o presidente do Grupo Sendas, Arthur Sendas, o vice-prefeito do Rio, Otavio Leite, o presidente da Federação Nacional do Comércio-Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), Orlando Diniz, o presidente do Sindilojas, Aldo Moura, o presidente do Sindicato das Seguradoras do Rio de Janeiro, Luiz Tavares, o presidente da 3a Turma do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, Luiz José Maria de Melo Couto, e o acadêmico Arnaldo Niskier.

Compuseram a mesa principal da cerimônia, conduzida pelo radialista Roberto Canázio, o presidente do Jornal do Commercio e da Rádio Tupi, Mauricio Dinepi; o presidente da Comissão Plenária do Condomínio Acionário dos Diários Associados, Édison Zenóbio; o presidente da Comissão Executiva do Condomínio Acionário dos Diários Associados e presidente do Correio Braziliense, Álvaro Teixeira da Costa; o diretor-geral das Rádios Tupi e Nativa, Alfredo Raymundo Filho; e o secretário-geral do Condomínio Acionário dos Diários Associados, Evaristo de Oliveira.

Na escolha dos Notáveis, os eleitores levaram em conta a atuação de personalidades e empresas que fizeram diferença no País em 2004. Assim, o presidente da Varig, comandante Carlos Luiz Martins, foi escolhido como uma Personalidade Notável pelo esforço que está fazendo na liderança do processo de recuperação da empresa - esforço que vem dando bons frutos, tanto que em outubro a Varig registrou o melhor faturamento de sua história (US$ 225 milhões).

Eficiência e profissionalismo

Márcio Cypriano, que sempre se destacou pela eficiência e o profissionalismo com que preside o Bradesco, tornou-se Personalidade Notável em 2004 por também ter sido eleito presidente da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) e passado a representar o setor. Emílio Odebrecht foi eleito Notável em 2004 pelo contínuo trabalho em favor da internacionalização do grupo Odebrecht, cujo Conselho de Administração preside.

Paulo Skaf, destacado líder no setor têxtil, conquistou a presidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em uma campanha de renovação, e desta forma integrou o grupo das personalidades Notáveis de 2004. Da mesma maneira mostrou-se Notável o presidente da Petrobras Distribuidora (BR), Rodolfo Landim, que está conseguindo elevar as vendas da empresa e consolidar sua posição no mercado, apesar da conjuntura desfavorável do mercado.

O leiloeiro Carlos Alberto Rodrigues Barros, como presidente do Sindicato dos Leiloeiros Públicos do Estado do Rio de Janeiro, pela terceira vez consecutiva, é igualmente Notável pela luta em favor da categoria.

O economista Carlos Ivan Simonsen Leal recebeu a homenagem por sua atuação como presidente de uma das principais instituições de ensino e pesquisa do País, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O presidente da Infraero, Carlos Wilson Campos, com a missão de dar o máximo de eficiência à estrutura aeroportuária do País e de comandar obras em 50 aeroportos em todo o País, fez jus ao troféu de Notável.

Homero Corrêa de Arruda Filho, por sua vez, recebeu o troféu pela competência com que encarou as transformações ocorridas na atividade sucroalcooleira, que exigiram mudanças no modelo organizacional e realinhamento estratégico nos negócios da Copersucar, de cujo Conselho de Administração é hoje vice-presidente.

O secretário de Energia, Petróleo e Indústria Naval do Estado do Rio de Janeiro, Wagner Victer, foi agraciado como Personalidade Notável pelos enormes serviços prestados à indústria de petróleo do Estado, ao setor de energia fluminense e por seu enorme e bem-sucedido esforço para fazer renascer a indústria naval fluminense.

Entre as empresas Notáveis, a Aracruz Celulose e a Supervia tiveram, em setores sem nada em comum, o mesmo tipo de força capaz de vencer barreiras e promover crescimento. A UniverCidade Rio de Janeiro, uma instituição de ensino que se notabiliza pelo rigor acadêmico, avançou no aprimoramento educacional.

A Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), o Sebrae Nacional e a Confederação Nacional do Comércio, mostraram a importância das entidades para o aprimoramento do empreendedorismo e para as inovações. O Banco Rural firmou-se como uma instituição capaz de competir no mercado e a Bradesco Seguros e Previdência, em permanente modernização, manteve sua posição. A Caixa Econômica Federal (CEF), presente em todo o Brasil, foi homenageada como Notável, assim como o IRB-Brasil Re, agraciado pelo apuro técnico de sua atuação.

Os premiados

PERSONALIDADES

CARLOS ALBERTO RODRIGUES BARROS

Presidente do Sindicato dos Leiloeiros Públicos do Rio de Janeiro

CARLOS IVAN SIMONSEN LEAL

Presidente da Fundação Getúlio Vargas (FGV)

CARLOS LUIZ MARTINS, comandante

Presidente da Varig

CARLOS WILSON

Presidente da Infraero

EMÍLIO ODEBRECHT

Presidente do Grupo Odebrecht

HOMERO CORRÊA DE ARRUDA FILHO

Vice-presidente da Copersucar

MÁRCIO CYPRIANO

Presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e do Grupo Bradesco

PAULO SKAF

Presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)

RODOLFO LANDIM

Presidente da BR Distribuidora

WAGNER VICTER

Secretário de Energia, Petróleo e Indústria Naval do Estado do Rio de Janeiro

Empresas e entidades

ARACRUZ CELULOSE

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO RIO DE JANEIRO (ACRJ)

BANCO RURAL

BRADESCO SEGUROS E PREVIDÊNCIA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL (CEF)

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO (CNC)

IRB-BRASIL RESSEGUROS

SEBRAE NACIONAL

SUPERVIA

UNIVERCIDADE RIO DE JANEIRO