Seu browser não suporta JavaScript!

04/01/2012 | Portal do PSDB na Câmara

Falta de investimento em aeroportos atrasa obras e prejudica o setor, avalia Otavio Leite

Por Alessandra Galvão

O deputado Otavio Leite (RJ) afirmou que a falta de investimento nos aeroportos é prova da inoperância do governo do PT em uma área estratégica. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) deixou de utilizar, no ano passado, R$ 1 bilhão previsto para construção e reforma de 23 terminais, incluindo 11 localizados em cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.

De acordo com a “Folha de S.Paulo”, no remanejamento de recursos do Orçamento da União feito no final de 2011 foram cancelados R$ 981 milhões em investimentos nos terminais e R$ 88 milhões em manutenção do programa de segurança de voo e controle do espaço aéreo.

O tucano lembrou que o caso não é novidade. “Lamentavelmente esse problema não é novo em função do descaso, da incompetência e da inoperância da Infraero. Não faltam recursos. O que falta é gestão”, resumiu nesta quarta-feira (4).

De acordo com a “Folha”, os aeroportos da Copa deverão receber R$ 6,5 bilhões em investimentos até 2014, mas as obras ainda não tiveram início na metade das unidades. A situação ocorre por causa de atrasos nos empreendimentos programados, segundo técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU). “É impressionante como as obras não são concluídas e ficam à mercê de uma etapa que teve algum problema gerencial. Isso é a revelação mais nítida da incompetência administrativa desse governo”, condenou Otavio Leite.

Na avaliação do parlamentar, o transporte aéreo é uma dor de cabeça constante para os usuários. “A população sofre com serviços aeroportuários pré-históricos, atrasados e de péssima qualidade”, concluiu.

Cargos distribuídos entre aliados

- O remanejamento de verbas em estatais e ministérios é feito no final do ano para reaproveitar os recursos não utilizados. Apenas uma parte dos cortes na Infraero foi transferida para outros empreendimentos. A construção do terminal de passageiros 3 de Guarulhos levou R$ 166 milhões. Mas a maior fatia – R$ 178 milhões – foi destinada à manutenção da infraestrutura aeroportuária.

- O Galeão foi quem mais perdeu (R$ 167 milhões). Os cortes atingiram a reforma e a ampliação dos terminais 1 e 2 e a recuperação de pistas. Na suplementação, recebeu só R$ 3,7 milhões para a ampliação da pista de pouso e do pátio de aeronaves.

- Além da falta de investimento, outro problema do setor é que a estrutura da Infraero foi distribuída a aliados do Planalto. Irmão do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), Oscar Jucá Neto ocupava cargo na estatal e foi demitido em 2009.