Seu browser não suporta JavaScript!

13/10/2011 | Jornal Correio Braziliense

Foco em núcleos sindicais

A semente da reaproximação com a sociedade foi plantada no início do ano, quando Fernando Henrique defendeu que o PSDB tentasse ampliar seu leque de apoio na sociedade. Os sindicalistas, vistos como estratégicos pelo partido, são o principal foco desse movimento. À frente da Secretaria de Movimento Sindical do PSDB, o sindicalista Antonio Ramalho, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo e vice-presidente da Força Sindical, vem se mobilizando para criar uma estrutura nacional para o segmento dentro do partido.

Em Minas Gerais, já foi criado um núcleo sindical. No Rio de Janeiro, Ramalho já fez contato com o deputado federal Otavio Leite, tucano cotado para disputar a prefeitura carioca em 2011. Na próxima semana, os sindicalistas vão se reunir com o presidente da legenda, Sérgio Guerra, em Brasília, para definir uma agenda de criação de núcleos sindicais do partido em todos os estados. A ideia é de que, até maio de 2012, haja secretarias em todo o Brasil.

Há 850 sindicalistas entre os tucanos, de todas as linhagens: Força Sindical, CUT e UGT. A meta é ter 3 mil sindicalistas candidatos em 2014, nas eleições nacionais. Uma das causas defendidas pelos sindicalistas tucanos, porém, é o fim de uma criação com DNA tucano: o fator previdenciário. Criado em 1999, no segundo mandato de FHC, com o objetivo de reduzir os benefícios de quem se aposenta antes da idade mínima ou obrigar o empregado a trabalhar mais tempo, o fator provoca urticárias em sindicalistas de norte a sul. "No passado, houve dificuldade de dialogar internamente com o PSDB, agora sinto que há espaço para se discutir", diz Ramalho.

Aposentados

O sindicalista credita o novo espaço interno ao fracasso eleitoral do partido nos últimos três pleitos presidenciais. "O PSDB deixou de eleger o presidente por causa da falta de apoio do movimento sindical. No governo Fernando Henrique, eles (o PSDB) deixaram a desejar. Aquela besteira de o Fernando Henrique chamar os aposentados de vagabundos contribuiu para a má relação. Mas isso hoje mudou."

O Instituto Teotônio Vilela, braço do partido para a formação política, prepara um seminário nacional em novembro, cujo tema principal será a revalorização dos oito anos de governo Fernando Henrique. O instituto não descarta criar cursos específicos para o movimento sindical. (DR e GA)