Seu browser não suporta JavaScript!

17/06/2008 | Ascom Dep. Otavio Leite

Homenagem póstuma para Artur da Távola

A sessão solene em homenagem ao saudoso ex-senador e deputado federal Artur da Távola, que faleceu em 9 de maio último, está marcada para 23 de junho, segunda-feira, no Plenário da Câmara

A iniciativa partiu dos deputados Otavio Leite e José Anibal (SP), que apresentaram à Mesa da Câmara dos Deputados requerimento para realização de sessão solene.

Leite lembra do seu privilégio por ter conhecido de perto o brilhantismo de Távola: ´Ele foi um homem erudito de uma sensibilidade social enorme. Foi, sem dúvida, um homem raro de sua geração e um dos principais oradores do parlamento´.

REQUERIMENTO

(Dos deputados Otavio Leite e José Aníbal)

Requer a convocação de sessão solene da Câmara dos Deputados para o dia 23 de junho de 2008, em homenagem ao Senador Artur da Távola, às 10 h, ou data outra possível.

Senhor Presidente:

Solicitamos a V.Exª, com base no art. 68 do Regimento Interno, e ouvido o plenário, a convocação de sessão solene desta casa para o dia 23 de junho de 2008, às 10h, ou data outra dentro da semana de 23 a 27 do mesmo mês, que a Mesa Diretora estabeleça, a fim de prestarmos homenagem ao Excelentíssimo Senador Artur da Távola.

JUSTIFICAÇÃO

Celebrar toda uma vida dedicada a sociedade através da política e da cultura é a principal motivação deste requerimento que busca homenagear o Senador Artur da Távola.

Carioca, nascido em 1936, Paulo Alberto Moretzsohn Monteiro de Barros adotou o pseudônimo Artur da Távola, uma homenagem ao Rei Artur da Távola Redonda, em 1968, quando a convite de Samuel Wainer, começou a escrever uma coluna sobre televisão no jornal Última Hora.

Na época, Paulo Alberto havia voltado do exílio no Chile. Ele teve cassado seu mandato de deputado estadual para o qual foi eleito em 1962 pela ditadura militar. Mais tarde, a coluna sobre TV passou a ser publicada no jornal O Globo. Artur da Távola também publicou 23 livros, em sua maioria crônicas e estudos sobre televisão e música.

Paulo Alberto formou-se em Direito, mas logo começou a trabalhar como jornalista. Foi colunista de vários jornais, dirigiu publicações da editora Bloch e manteve programas de música clássica e popular brasileira nas rádios MEC e Senado. Ultimamente, dirigia a Rádio Roquette Pinto, do governo fluminense.

A volta à política foi nos anos 80. Em 1986, ele foi o deputado do PMDB fluminense mais votado para a Assembléia Nacional Constituinte. Durante o processo de elaboração da Constituição, defendeu alterações na legislação reguladora das concessões de canais de TV, para facilitar a criação de emissoras vinculadas à sociedade civil. Deixou o partido para fundar o PSDB, pelo qual foi eleito senador em 1994, cumprindo um mandato de oito anos. Em 2003, foi secretário das Culturas do município do Rio de Janeiro.

São essas as razões resumidas que fundamentam a presente proposta que submeto aos nossos pares.

Sala das Sessões, em 14 de maio de 2008.

Deputado OTAVIO LEITE e Deputado JOSÉ ANÍBAL