Seu browser não suporta JavaScript!

20/09/2011 | Jornal O Globo

Indicação de candidato à prefeitura acirra crise dentro do PSDB do Rio

RIO - A crise no PSDB do Rio é grave e pode ter as estruturas abaladas nas eleições municipais de 2012. Os tucanos brigam pela indicação de um candidato do partido à Prefeitura do Rio. Para piorar, integrantes descontentes com o rumo da sigla já estão de malas prontas para sair. Se não bastasse a guerra interna, o ex-governador Marcello Alencar, um dos caciques do PSDB no estado, fez nesta segunda-feira duras críticas ao ex-presidente regional José Camilo Zito dos Santos, que, após de desavenças com Alencar, se filiou ao PP, do senador Francisco Dornelles.

A confusão no ninho tucano esbarra no deputado federal Otavio Leite e na vereadora Andrea Gouvêa Vieira. Os dois querem concorrer à sucessão do prefeito Eduardo Paes (PMDB), pré-candidato à reeleição. Leite tem o apoio dos diretórios municipal, estadual e nacional. Já Andrea, sem espaço no PSDB, se reunirá nesta terça-feira com integrantes do PV, entre eles o ex-deputado federal Fernando Gabeira.

- Estou com um pé fora do PSDB. Só não formalizei ainda. O partido também não está se esforçando nem um pouco para eu ficar. Sinto-me praticamente expulsa. O sentimento é esse - afirmou Andrea, que não perderá o mandato por infidelidade partidária já que a expectativa é de o PSDB não tentar brigar pela cadeira.

Otavio Leite rebateu:

- Postular uma candidatura é um direito. Mas a construção dessa candidatura requer critérios e respaldos. Quero que ela (Andrea) fique. Mas eu falo por mim. Sou um militante do partido há 19 anos.

O PSDB não lança candidatura própria à Prefeitura do Rio desde de 2000, quando concorreu com Ronaldo Cezar Coelho. De lá para cá, os tucanos participaram apenas de coligações, como as de 2008 e 2010, apoiando Gabeira.

- Estamos saindo do fundo do poço para voltar a crescer - admitiu Otavio Leite.

Além de Andrea Gouvêa Vieira, devem deixar o PSDB os vereadores Marcelo Arar e Patrícia Amorim, presidente do Flamengo. Se as saídas forem confirmadas, os tucanos só serão representados na Câmara pela vereadora Teresa Bergher. O vereador Luiz Carlos Ramos foi para o PSDC. Já Luiz Antônio Guaraná aterrissou no PMDB e é chefe de gabinete de Paes. A ex-deputada estadual Alice Tamborindeguy se filiou ao PP para disputar a prefeitura de São Gonçalo.

O prefeito de Caxias, José Cailo Zito, em foto de Thiago Lontra

O estopim da confusão ocorreu entre Marcello Alencar e Zito. O ex-governador acusa até hoje o prefeito de Duque de Caxias de não fazer campanha para Gabeira, em 2010, e de ter apoiado sem autorização do partido a reeleição do governador Sérgio Cabral (PMDB). Em 2009, quando o verde pretendida concorrer com Sérgio Cabral, Zito afirmara que Gabeira "não tinha cheiro do povo".

- Zito praticou atos incompatíveis como presidente regional do PSDB. Disse que o Gabeira não tinha cheiro do povo. Em plena campanha, esculhambou o PSDB e se aproximou dos nossos adversários, entre outras coisas que é melhor não comentar. Falei que

ele estava agindo com pecado político e, depois disso, ele saiu (do partido) - disparou Marcelo Alencar.

O ex-governador também criticou Zito sobre a atuação como presidente regional da sigla:

- Zito não era um presidente atuante. Essa é a minha opinião, meu filho.

Zito evitou polemizar com Alencar. O prefeito, porém, admitiu ter se dedicado, no ano passado, apenas à campanha à Presidência do candidato tucano derrotado José Serra.

- Na verdade, eu só fiz campanha para o Serra. Não era segredo. Todos nós sabíamos que o Gabeira não tinha mais o prestígio político de antes. Já tinha perdido o poder eleitoral. Não tenho nada contra o Gabeira.

Zito, por sua vez, não poupou os dirigentes do PSDB, apesar de não citar nomes:

- Se eu não tinha condições de ficar na presidência regional, eu também não tinha condições de ficar no partido. O PSDB é conduzido por um grupo pequeno e eu lutava por um partido democrático. O comando do partido é feito por ódio e rancor e isso eu não tenho no meu coração.

Por enquanto, afirmou o prefeito, a sua filha, a deputada federal Andrea Zito, permanece no PSDB:

- O problema foi comigo. Mas se acharem que ela não serve mais, ela sai também.

Para as eleições de 2012, Luiz Paulo tenta juntar os cacos e percorre o estado para formar chapa de vereadores. O parlamentar articula também candidaturas próprias para prefeito em pelo menos 30 cidades. Segundo o deputado, há cinco meses, o PSDB mantinha diretórios em 46 dos 92 municípios do estado.

- Agora, são 88 diretórios municipais e provisórios. Só não estamos em Carmo, Sumidouro, Miguel Pereira e Paty do Alferes. Trabalhamos para reestruturar o PSDB.

Luiz Paulo admitiu a crise:

- Qual partido não está em crise? Gostaria que você me dissesse um. O PT não está em crise? O PMDB também não? O PSDB está construindo o caminho.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/09/19/indicacao-de-candidato-prefeitura-acirra-crise-dentro-do-psdb-do-rio-925401595.asp#ixzz1YWStHzaM

© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.