Seu browser não suporta JavaScript!

21/07/2014 | PSDB

“Infelizmente temos hoje uma política externa que prioriza o alinhamento ideológico”, diz Aécio Neves

O candidato da Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira (21) após reunião com com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.

A seguir, a entrevista.

Encontrar o ministro Durão Barroso é sempre um prazer. Além de ter sido uma oportunidade também de falarmos um pouco sobre a Europa, sobre o Mercosul. Tanto ele, quanto eu, percebemos que o atraso nas negociações do Mercosul com a União Europeia, na verdade, está impedindo o Brasil de já receber benefícios importantes dessa parceria. Não é desconhecido do mundo que a União Europeia tem feito parcerias, inclusive bilaterais, com vários países, com várias regiões, inclusive com a nossa, com a Aliança do Pacífico e agora com os Estados Unidos. E tudo isso vai tirando espaço das negociações que poderiam beneficiar o Brasil.

Infelizmente, temos hoje uma política externa que prioriza o alinhamento ideológico em detrimento de parcerias comerciais que poderiam gerar mais renda, mais emprego, a inclusão das empresas brasileiras nas cadeias globais de produção, por exemplo.

Tive a oportunidade de ouvir a opinião do ministro sobre a crise, hoje, na Ucrânia, que envolve a Rússia, que gera preocupação em todo o mundo, mas em especial à União Europeia.

O Ministro Durão Barroso é um homem de centro, um homem do equilíbrio e ele tem sido, ao longo desses últimos dez anos, o ponto de convergência da União Europeia. Ele reitera a sua convicção na força do Euro, mas busca no limite dos seus esforços pessoais, de alguma forma, apressar, antecipar os entendimentos com a nossa região que ele considera extremamente salutar, tanto pra nós, quanto pra União Europeia. Infelizmente, repito, essa agenda ficou para 2015.

E em um momento em que tivermos um governo que não busque apenas aliança entre vizinhos, mas aliança com quem possa ajudar a desenvolver a nossa economia é que o entendimento com a União Europeia vai avançar. E eu espero que isso possa ocorrer a partir de 2015.