Seu browser não suporta JavaScript!

12/03/2007 | Site do PSDB Nacinal

Jogos Pan-Americanos poderão enfrentar novo apagão aéreo

Para parlamentares tucanos, Executivo age com irresponsabilidade

Brasília (12 de março) - A aproximação do jogos Pan-Americanos - que serão realizados no Rio de Janeiro no mês julho - levanta novamente a possibilidade de o país viver mais um capítulo do apagão aéreo. De acordo com informações divulgadas pelo jornal O Globo, até o momento não foi definido nenhum plano de ação por parte do governo para evitar que novos transtornos ocorram nos aeroportos.

APAGÃO GERAL

Na avaliação do deputado Luiz Carlos Hauly (PR) , a falta de compromisso dos setores responsáveis pela infra-estrutura aeroportuária comprova que o governo continua em crise. ´A gestão Lula é marcada por um apagão geral, amplo e irrestrito´, criticou.

Segundo o parlamentar, o Planalto não sabe planejar e muito menos exercer um comando adequado. ´Não resta dúvida que o Executivo atua neste episódio com absoluta irresponsabilidade diante de uma evento que é de extrema importância para o país´, ressaltou.

De acordo com informações da imprensa, as empresas aéreas não foram chamadas para apresentar nenhum tipo de estratégia para amenizar os efeitos do aumento excessivo na demanda, que além do Pan será ampliada em decorrência das férias escolares.

OLIMPÍADA DE IRRESPONSABILIDADE

Para o deputado Otavio Leite (RJ), a desorganização do setor no caso específico do Pan reforça a necessidade da Câmara instalar a CPI do Apagão Aéreo. ´A Comissão Parlamentar de Inquérito é uma excelente oportunidade para que o Legislativo possa analisar responsabilidades e competências dos envolvidos no caos nos aeroportos. Esse é mais um fator decisivo a pressionar o Congresso nesse sentido´, destacou.

Já o deputado Gustavo Fruet (PR) acredita que a ausência de um preparo especial para enfrentar o aumento do fluxo de passageiros devido ao Pan 2007 é ´a crônica de uma nova crise anunciada´. ´A cidade do Rio de Janeiro corre o risco de ser obrigada a lidar com nova onda de atrasos e cancelamento de decolagens´, afirmou.

Na opinião do tucano, o Planalto quer transformar o evento em uma ´olimpíada de irresponsabilidade´. ´Cerca de cinco meses depois do primeiro caos nos aeroportos nada foi feito no sentido de resolver os problemas deflagrados junto aos controladores de vôo. Se o governo não tiver firmeza para conduzir com eficiência os preparativos neste momento a situação poderá ficar fora de controle´, concluiu.