Seu browser não suporta JavaScript!

15/10/2011 | Jornal Lance! Net

Lance!: Campo onde surgiu Ronaldo Fenômeno pode sumir

O campo onde o fenômeno Ronaldo surgiu para o mundo do futebol pode virar fotografia em um álbum de memórias. Na próxima 2 feira, o Conselho Deliberativo do São Cristóvão votará uma permuta com a construtora paulista Even.

Pelo acordo, o clube cederia o terreno de cerca de 2.700 metros quadrados, em troca de um novo campo, que seria construído na sede náutica do clube, na Cidade Universitária. A questão é que campos de futebol do Rio de Janeiro são protegidos por Lei Municipal. Em 2002, o então vereador Otavio Leite (PSDB-RJ) aprovou lei que preserva os campos do Rio, tornando estas áreas impróprias para qualquer nova edificação.

O conselheiro cadete Adison Soares, designado para conduzir as negociações com a Even, disse que há projetos da Prefeitura do Rio para desapropriar parte do terreno do estádio, o que motivaria o acerto com a empreiteira paulista. Uma ala oposicionista do clube diz que isto é instrumento de pressão para que o contrato seja assinado.

– Este assunto existe, sim. Vamos ceder o terreno, mas ganharemos um novo estádio. Falta apenas o parecer final do Conselho Deliberativo. A Lei fala em proibição de venda, não de permuta – disse Soares.

A Lei n 3372, no entanto, esclarece que não há diferenciação alguma, e que estes campos são protegidos.

– O São Cristóvão tem este nome por causa do bairro. Não podemos deixar que isto aconteça – disse o conselheiro Alexandre Biar, que admitiu que a tendência é pela aprovação do contrato.

O deputado federal Otavio Leite disse que uma eventual construção poderá ser considerada ilegal.

Bate-Bola

Otavio Leite deputado federal e autor da lei municipal, em entrevista ao Lancenet!

Como recebeu esta notícia?

Fui pego de surpresa com isso. Os campos estão protegidos por lei. Não há diferença entre permuta e venda. No instante que o campo deixar de ser campo, o que for colocado ali será considerado ilegal.

O senhor entende este argumento como uma tentativa de drible na Lei Municipal de sua autoria?

Campo não pode deixar de ser campo. O fato de o clube planejar a construção de um outro estádio não neutraliza ou anula o eventual fim de Figueira de Melo.

O que o senhor destacaria de importante nesta Lei Municipal?

Isto impediu que a Gávea virasse shopping, que o estádio do Bonsucesso se tornasse um supermercado, dentre outros casos. É uma ideia que pretende defender a formação de jogadores no Rio.