Seu browser não suporta JavaScript!

02/10/2007 | Agência Tucana

Má gestão é lembrada após um ano do acidente da Gol

O acidente com o avião da Gol completou no último sábado um ano e, diante da data, não há como esquecer a crise aérea que prejudicou todo o país, causou atrasos nos aeroportos e vitimou 353 pessoas. O deputado Vanderlei Macris (SP) criticou a indiferença do Planalto diante do colapso nos aeroportos. ´A partir do acidente da Gol, tivemos dez meses de crise porque o governo simplesmente dormiu. Foi preciso ter acontecido outra tragédia, com outras 199 mortes, para que se dessem conta da necessidade de mudanças´, disse o tucano em referência ao acidente com o avião da TAM, que se chocou com um prédio, em julho deste ano, após pousar no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

CPI DO APAGÃO

Macris também destacou o trabalho da CPI do Apagão Aéreo, que está na fase final de seus trabalhos, e salientou que os deputados tucanos que integram a comissão alertam há muito tempo para a ´tragédia da má gestão´. ´Esse tempo todo o que ficou comprovado foi a incompetência, incapacidade de gestão e falta de aparelhamento, comprometendo a vida dos usuários. Fizemos o que estava a nosso alcance na CPI para que o governo tomasse providências e tivemos alguns resultados, como mudança de ministros, na Infraero e na Anac´, observou.

O deputado Otavio Leite (RJ) também avaliou que a CPI deu grandes passos, mas que ainda há muito a ser feito. ´Embora não desejássemos tudo isso, o PSDB vem prestando grande serviço, tanto por ter lutado pela comissão quanto por ter aproveitado para apontar problemas e caminhos para o fim da crise aérea´, afirmou.

PREJUÍZOS

As perdas da crise também se refletem em números. Levando em consideração o prejuízo das empresas aéreas, do setor de turismo, de lazer e de negócios, o Brasil perdeu cerca de R$ 3 bilhões no último ano. Somente em vôos domésticos, esse valor chega a R$ 300 milhões.

Outro fator preocupante apontando durante os últimos meses foi o contingenciamento de recursos para o setor aéreo. O Orçamento da União deste ano, por exemplo, prevê despesas de R$ 300 milhões com a infra-estrutura dos aeroportos, que inclui reformas de terminais e pistas. Até agosto, o governo havia se comprometido a gastar apenas R$33,5 milhões - cerca de 11% dos investimentos programados.

DESPREPARO

Problemas foram detectados, mas não solucionados. Na sexta-feira, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (Cenipa) divulgou relatório preliminar apontando falha dos controladores de vôo como o principal fator contribuinte para o acidente da Gol. Esses profissionais reconhecem parte da responsabilidade, mas acusam a Aeronáutica de se eximir da sua parcela de culpa por não admitir que gere de forma ineficiente o sistema.

Eles afirmam que boa parte dos problemas técnicos e operacionais do setor não foi resolvida e continua sendo jogada para debaixo do tapete. Além disso, número expressivo de controladores tem apresentado doença de origem nervosa e muitos até cogitam mudar de profissão.

O tucano Otavio Leite acredita que os parlamentares devem estar atentos às ações do governo com relação a todas as deficiências do setor. ´Lamentavelmente o drama continua e prosseguiremos vigilantes, pois estamos longe de uma solução efetiva´, concluiu.