Seu browser não suporta JavaScript!

15/12/2005 | Jornal de Turismo

Magnavita recebe a mais alta medalha de mérito do Rio

Em noite de gala, realizada no Golden Room do Copacabana Palace, o jornalista Cláudio Magnavita, presidente do Jornal de Turismo e da Abrajet (Associação Brasileira de Jornalistas Especializados em Turismo), recebeu na noite de 28 de novembro, a Medalha de Mérito Pedro Ernesto, pelos serviços prestados ao turismo e à cultura do Rio de Janeiro.

A entrega do diploma e da medalha foi feita pelo vice-prefeito da cidade Otavio Leite, que conduziu a cerimônia. Leite salientou que a reunião no Copacabana Palace era uma sessão formal da Câmara do Rio de Janeiro e que a medalha é a mais elevada comenda da Cidade Maravilhosa. “Apesar de ser baiano, nosso homenageado é um incansável defensor da questão do turismo no Rio de Janeiro. Com seus artigos no “Jornal do Brasil”, está sempre em defesa da Varig”, disse o vice-prefeito. “Cada vereador tem o direito a conceder cinco comandas e eu me orgulho muito das minhas”, completou. O vice-prefeito ainda destacou o fato de Magnavita já ter trabalhado na Bahiatursa (BA), Emtursa (BA), TurisRio (RJ) e Anhembi (SP), entidades governamentais de turismo.

O secretário de Turismo do Estado, Sérgio Ricardo de Almeida, também destacou os muitos anos que o jornalista já se dedica ao turismo e pela sua luta em defesa do Rio de Janeiro. “É um defensor dos interesses da cidade e do Estado do Rio de Janeiro. Temos resistido aos ataques que a cidade do Rio de Janeiro vem sofrendo e você defende a cidade em todos os momentos. Suas peças são fundamentais ao teatro do Rio de Janeiro”, falou o secretário, referindo-se aos musicais produzidos pelo homenageado, como “Cole Porter”, “Cantoras do Rádio”, “Communitá” e “Constellation”.

O secretário Especial de Turismo da Cidade do Rio de Janeiro, Rubem Medina, lembrou também que o trabalho de Claudio Magnavita começou com seu tio, Araújo Castro, de quem o político tem uma grande lembrança. “Começamos a falar sobre o turismo quando ele era considerado como algo supérfluo”, disse Medina. “O turismo é uma causa de todos nós, de nosso coração. Hoje, estão reunidas pessoas aqui de diferentes partidos, mas com um só partido que nos une, que é o Rio de Janeiro”, finalizou.

O evento contou também com a presença de importantes figuras do trade, como o subsecretário de Turismo Nilo Sérgio Félix; o vice-presidente da Abav Nacional, Carlos Alberto “Kaká” Amorim; Luiz Felipe Bonilha, presidente da Riotur; Paulo Senise, do Rio CVB; Pedro Fortes, da ABIH; Sávio Neves, da Associação de Trens Turísticos, Roberto Dultra, da Bito; Philippe Carruthers, diretor do Copacabana Palace; Alexandre Sampaio, do Sindicato de Hotéis, Janyck Daudet, presidente do Club Med para a América do Sul; Marcelo Bottini, presidente da Varig; César Curi, presidente do Conselho Curador da Fundação Ruben Berta; Graziella Baggio, do Sindicato dos Aeroviários, Mário Carvalho, diretor da TAP, o brigadeiro Mauro Gandra, entre muitos outros. Também estiveram presentes celebridades como o cantor Emílio Santiago, o diretor da Rede Globo, Maurício Schermann e a cantora Carmélia Alves.

Coerência

Ao receber a homenagem, Claudio Magnavita destacou a importância do Copacabana Palace para sua vida. “Aqui, comemorei o sucesso do meu primeiro musical, o “Cole Porter”. “Também foi o último momento profissional com meu tio”, re-lembrou o homenageado.

Com 23 anos de carreira dedicados ao turismo, Magnavita assinou sua primeira coluna para o “Jornal de Turismo”, quando ainda tinha 13 anos de idade. Ele discursou que todo jornalista, independente do veículo que trabalhe, tem uma missão, que é a de ser porta-voz de sua comunidade. “Nesse tempo, eu aprendi que quando um jornal vai para a rua ele deixa de ser seu e passa a ser do leitor. Durante sua história de 40 anos, o JT passou por apertos pelo fato de ser coerente. Mas, pela história, nós vemos que isso funciona”, falou.

Durante seu discurso, Magnavita apresentou várias capas históricas do periódico. Dentre as “brigas” do veículo estão a reabertura do Hotel Nacional, apoiada no fortalecimento de uma política pública do Rio de Janeiro, e, mais recentemente, a questão da Varig.

Para finalizar, Magnavita pediu desculpas aos baianos e afirmou que se sente cada vez mais carioca. E por último, estendeu as homenagens a seus pais, Dilma e Valdir, presentes ao evento.