Seu browser não suporta JavaScript!

14/03/2016 | Rádio Sputnik

Manifestações: demonstração de força ou limite máximo da oposição?

Convocadas para protestar contra o Governo Dilma, as manifestações acabaram envolvendo críticas, também, ao ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao Partido dos Trabalhadores e à base aliada do Governo.

O Deputado Federal Afonso Florence (PT-BA), em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, diz ser necessário destacar que “o resultado final de manifestações com um número expressivo de participantes foi sem qualquer fato de maior gravidade e sem nenhuma repercussão danosa à integridade física das pessoas”. 

“É importante registrar isso”, diz o parlamentar petista, “porque o tom político da convocação foi acirrado, e ela foi antecedida de medidas de juízes, de promotores, com perseguição política ilegal ao Presidente Lula, com pichações, depredação das sedes do PCdB – Partido Comunista do Brasil e da UNE – União Nacional dos Estudantes. Ter concluído o domingo sem nenhum fato a lamentar é de se saudar e confirma a solidez das instituições democráticas no Brasil.”

O Deputado Afonso Florence afirma ainda:

“Apesar da convocação à exaustão dos líderes da oposição, defensores do golpe institucional ao Brasil – inclusive com o Governo Estadual de São Paulo, a Federação das Indústrias, as redes de lanchonetes e setores de Estado como Conselhos de Medicina –, do ponto de vista político as manifestações tiveram o mesmo tamanho das de dezembro, pouca diferença, aqui e ali, de participantes.”

O parlamentar baiano destaca também que “líderes do PSDB foram impedidos de falar, foram hostilizados publicamente, particularmente o senador e ex-candidato à Presidência Aécio Neves e o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin”.

Manifestações de rua em 2016: A história (de 2013) se repete? 

O Deputado Federal Afonso Florence conclui dizendo estar acompanhando a repercussão das manifestações “com uma avaliação de que o resultado final é de que a oposição bateu no teto – esse é o tamanho da capacidade da oposição de mobilizar o apoio à sua proposta de golpe institucional”. 

Já o Deputado Federal Otavio Leite (PSDB-RJ) afirma que o Governo precisa aceitar a nova realidade manifestada nas ruas. Falando com exclusividade à Sputnik Brasil, o parlamentar considera que manifestações deste domingo foram muito expressivas. “Eu fui às anteriores, fui a essa e posso afirmar que estamos diante de um movimento político cívico da maior relevância histórica para o Brasil. O pleito de impeachment está superlegitimado no anseio social”, conta Otavio Leite.

“Fiquei no Rio de Janeiro. Fui à manifestação, fiquei um bom tempo, fui ao palanque, discursei, mostrei minha cara, embora discurso de político em manifestação dessa natureza não esteja sendo muito bem-vindo. Mas eu enfrentei porque é um dever do homem público se pronunciar e se posicionar.”

Justiça: análise de processo contra Lula levará tempo

O deputado do PSDB lembra ter sido “um momento belíssimo na história política do Rio de Janeiro. Copacabana tinha talvez mais gente do que no Réveillon. Daqui ecoou um brado muito forte em prol da mudança de que o país precisa”. 

“Obviamente, é uma mudança que se quer executar dentro da Constituição, que prevê como remédio jurídico-político a figura do impeachment, configuradas as infrações que já foram tão amplamente abordadas pela imprensa. Estou muito esperançoso de que nós iremos adiante, embora seja preciso compreender que são necessários 342 votos – são 513 parlamentares –, mas a pressão popular hoje é muito forte e indica grandes chances de vitória para o povo brasileiro”, conclui Otavio Leite.