Seu browser não suporta JavaScript!

18/05/2011 | Portal eBand

Ministério da Educação fecha representação do órgão no Rio de Janeiro

A partir de segunda-feira, o Ministério da Educação não terá mais representação no Rio. A sede do órgão na cidade, que funcionava, desde a sua criação na década de 30, nos três últimos andares do Palácio Gustavo Capanema, no Centro, era o local de trabalho de 108 funcionários, que vão ser transferidos para outros órgãos federais.

Segundo nota do próprio ministério, a medida faz parte do processo de reestruturação do órgão e também visa uma diminuição de custos. Por esse motivo, a outra representação do MEC fora de Brasília, em São Paulo, também vai ser extinta. A partir de agora, todos os trabalhos serão centralizados na base.

A Secretaria Estadual de Educação foge da polêmica e diz que vai “continuar mantendo ótimas relações com o MEC”.

Mas a decisão não foi bem recebida pela oposição política. O deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ) acredita que, em vez de retirar sua representação no Rio, o MEC deveria reforçar projetos educacionais em parceria com as secretarias municipais e estaduais.

“Foi assim com a Funarte (Fundação Nacional das Artes), que acabou ficando no Rio após a pressão. Vou mobilizar a bancada para criar um movimento e reivindicar junto ao [ministro da Educação] Fernando Haddad a anulação da medida”, disse o deputado. Otavio Leite lembra ainda o prejuízo que a mudança causaria para servidores aposentados e pensionistas, já que a repartição era responsável por cuidar de questões administrativas envolvendo a classe. “É um desprestígio com a cidade”, completa.