Seu browser não suporta JavaScript!

02/09/2012 | Ascom Otavio Leite

No calçadão de Campo Grande, candidato ouve reclamações da população

No sábado, 01/9, Otavio Leite fez caminhada no calçadão de Campo Grande, na Zona Oeste da cidade. Acompanhado de militantes e candidatos a vereador do partido, Leite conversou com moradores, ouviu queixas sobre os problemas da região e apresentou suas propostas para a população. Entre as grandes reclamações estão o trânsito caótico e os transportes escassos, a saúde precária e a falta de vagas em creches, além da má qualidade da educação.

A segurança, apesar de não ser uma atribuição da prefeitura, mas do governo estadual, também foi muito citada. Segundo José Mendes, 61 anos, morador de Campo Grande: “Não temos segurança. A periferia de Campo Grande está dominada por bandidos. Outra coisa que precisa ser vista com urgência são os transportes, está tudo muito ruim aqui”, afirmou. Outro que reclamou dos transportes e do trânsito foi o também morador do bairro, Rafael Rangel Chaves, 27 anos: “Precisamos melhorar as vias e o transporte em Campo Grande. Você perde horas se deslocando dentro do bairro.” E queixou-se da precariedade dos serviços de saúde na região, “só temos um hospital aqui, o Rocha Faria, que inclusive é estadual. Só que ele não dá conta de toda a população”, afirmou ele.

Outra que também reclamou da saúde no bairro foi Rafaella Martins, de 26 anos, moradora de Guadalupe: “A área de saúde está péssima. Faltam médicos e profissionais. E quando tem pessoal, não tem equipamento ou remédios. Está horrível. A gente sabe que tendo saúde, a gente consegue tudo na vida”, afirmou. Já a moradora Maria Lúcia Souza, de 59 anos, pediu melhorias nos transportes e nas calçadas: “Os transportes aqui são horríveis. E é muito ruim se locomover em ruas assim, com as calçadas quebradas, irregulares.”

Para o estudante Yago Laudano, de 16 anos, o problema dos transportes é crônico e precisa ser resolvido. Ele chamou a atenção para o tratamento que os funcionários das empresas dão aos passageiros: “Eles não param para os estudantes, para os idosos e para as pessoas com deficiência. Eles não têm respeito e nem compaixão.” A educação foi outro problema levantado pelo estudante, que disse “precisamos dar uma atenção especial para a educação infantil para evitar os analfabetos funcionais. A proposta do Otavio é boa, pois é a falta de estudo que gera o desemprego e a violência”, afirmou o jovem.

“Faltam médicos nos hospitais e o atendimento é precário e difícil. A questão dos transportes precisa ser organizada, integrando e racionalizando. Além disso, a falta de creches e de escolas com qualidade também é um problema grave em Campo Grande. Ouvi muitas pessoas e fiquei mais convicto ainda das minhas propostas para a saúde e a educação da cidade”, afirmou Leite ao final do corpo a corpo.

Foto: Marcelo de Mattos