Seu browser não suporta JavaScript!

03/08/2012 | Jornal O Globo on line

No Rio, candidatos avaliam como positiva participação em debate

Por Juliana Castro

RIO – Os principais candidatos à prefeitura do Rio disseram ter gostado de seus desempenhos no debate realizado na quinta-feira pela Band. Rodrigo Maia (DEM), Marcelo Freixo (PSOL), Otavio Leite (PSDB) e Aspásia Camargo (PV) mudaram suas agendas nos dois dias anteriores ao encontro para se concentrar no embate.

O prefeito Eduardo Paes (PMDB), que tenta reeleição, entrou e saiu da emissora sem falar com a imprensa. Nesta sexta-feira, durante uma coletiva de imprensa, Paes não percebeu que o áudio estava aberto e afirmou à presidente da Empresa Olímpica Municipal, Maria Silvia Bastos Marques, que ficou "com sono" e achou "chatérrimo" o primeiro debate na TV.

- Eu estava ao lado do Eduardo e o observei muito agitado o tempo todo. Me surpreendeu (a declaração do prefeito). É a revelação de que ele não quer debate, não quer campanha, quer fato consumado. Por ele não tinha debate, não tinha campanha, tinha aprovação automática para um novo mandato – disse Otavio Leite, que avaliou como boa sua participação, mas lamentou não ter tido oportunidade de fazer perguntas a Paes e Freixo.

- Se foi entediante para ele, ele tem que ser mais ofensivo – disse Aspásia, que, no próximo debate, quer controlar melhor seu tempo.

Já Marcelo Freixo lembrou que esta foi sua primeira experiência num debate majoritário e que conseguiu falar dos temas mais importantes. Ele avaliou o que pode melhorar para o próximo debate, dizendo que pode, por exemplo, levar mais a questão da gestão participativa. Ele negou ter se unido com Rodrigo para atacar Paes.

- Eu falei nas respostas sobre o mensalão do DEM, de prefeitos que chamavam a milícia de mal menor e todo mundo sabe que eu estava falando do Cesar Maia – disse, referindo ao ex-prefeito, pai de Rodrigo.

Freixo disse ter ficado surpreso com o candidato do DEM, que por duas vezes teve a chance de perguntar para Paes, mas preferiu confrontar o socialista.

- Ele deve ter tido alguma estratégia, que eu não sei qual é. A minha estratégia era o enfrentamento ao Paes. Quando o Rodrigo foi sorteado, até fiquei um pouco chateado porque queria ser o primeiro para perguntar ao Paes. Eu esperava que ele perguntasse ao prefeito, mas ele perguntou para mim, gerando um enfrentamento meu ao Paes.

Rodrigo, que admitiu ter ficado nervoso no início, explicou sua estratégia e disse que a tentativa foi de fazer um triângulo entre ele, Freixo e Paes.

- Eu queria falar de milícia e dos gastos desnecessários. Eu imaginava a resposta do Freixo. E, na equação, que se montou em que um pergunta ao outro, a única equação para o Eduardo levar duas pancadas era eu perguntar ao Freixo. Se eu perguntasse para o Eduardo, ele sai para a Aspásia. Quando eu vi que deu certo na primeira, fui para a segunda.