Seu browser não suporta JavaScript!

11/09/2003 | Jornal O Globo

Obra de despoluição em São Conrado é retomada

As obras de despoluição na Praia de São Conrado, que estavam paralisadas desde abril de 2002, serão retomadas hoje pela Secretaria estadual de Meio Ambiente.

A governadora Rosinha Matheus liberou ontem R$ 82 milhões do Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam) destinados a este e a outros projetos, como os de saneamento de Jacarepaguá e Barra e de despoluição da Baía de Guanabara.

Para as obras de despoluição em São Conrado, foram liberados cerca de R$ 3 milhões. A primeira fase do projeto inclui a construção de uma galeria em concreto armado (para captação do esgoto que hoje é lançado na Praia de São Conrado) e de um túnel extravasor, que levará as águas até o costão da Avenida Niemeyer.

De acordo com a Secretaria estadual de Meio Ambiente, nesta primeira fase das obras faltam apenas 50 metros de um total de 270 metros do túnel extravasor. O projeto, segundo o governo, acabará de vez com as línguas negras na Praia de São Conrado e beneficiará direta e indiretamente cerca de 400 mil pessoas.

A secretaria prevê que até o fim do ano as obras estarão concluídas. Na segunda etapa do projeto, será construída a galeria de cintura, para captar o esgoto da comunidade de Canoas.

Obras em Jacarepaguá e Barra terão R$ 23 milhões

As obras de saneamento da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá, que seguem em ritmo lento, serão contempladas com R$ 23,2 milhões do Fecam.

O deputado Otavio Leite (PSDB), da Comissão Pró-Emissário, saudou a liberação dos recursos, mas lembrou que faltam ainda R$ 50 milhões para a conclusão da primeira fase.

— Essa obra era para ter sido inaugurada em 29 de março de 2003 — afirma Leite.

A despoluição da Baía de Guanabara receberá R$ 58,8 milhões. Segundo o vice-governador e secretário estadual de Meio Ambiente, Luiz Paulo Conde, os recursos permitirão a implantação do tronco-coletor e de redes de esgoto das bacias de Pavuna, Alegria e Sarapuí.

Os troncos-coletores de Pavuna, Alegria e Sarapuí somam 1.200 quilômetros, com mais de 177 mil ligações domiciliares. Segundo Conde, a primeira fase do PDBG estará concluída até junho de 2005.